Irmandades Negras: Memórias da Diáspora no Sul do Brasil

Ref: 978-85-473-0086-9

Enquanto locais de culturas negras, as Irmandades atribuíram visibilidade a ações organizativas de grupos negros na contramão da sociedade colonial escravagista, desde seus primórdios, e viabilizaram meios de preservar discreta e dissimuladamente solidariedades na diáspora, sustentando redes de contato e comunicações, como ajuda mútua entre seus membros. Manter encontros entre escravizados fora alcance de seus senhores, abrindo espaços religiosos susceptíveis a mesclas de traços litúrgicos, a Igreja Católica assegurou viveres em condições traumáticas da vida colonial e do Império.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0086-9


Edição:


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 323


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Karla Leandro Rascke.

O trabalho de Karla Leandro Rascke nos traz, por meio do estudo das festas, procissões e celebração da morte na Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, formas de organização, espaços de sociabilidade, modos de celebrar a vida e a morte de populações de origem africana, entre a Abolição da Escravatura e a destruição do último grande reduto africano oitocentista, o bairro da Figueira, na zona portuária da velha Desterro, agora Florianópolis (1940).

[...] Sem a pretensão de guiar o leitor pelos caminhos deste texto sensível, quero apenas deixar aqui o meu agradecimento a esta gentil historiadora, companheira de tantas vitórias e um sem número de sofrimentos. Em suas mãos, a memória de nossos mortos ganha um valor incrível, suas lutas e artimanhas de sobrevivência ganham a dimensão de embates, confrontos contra a sanha, ora modernizadora, ora romanizadora, ora racista, sempre colonialista. Em suas letras, africanos e seus descendentes emergem como sujeitos, atores do seu próprio tempo.

 

Paulino de Jesus Francisco Cardoso

 

Enquanto locais de culturas negras, as Irmandades atribuíram visibilidade a ações organizativas de grupos negros na contramão da sociedade colonial escravagista, desde seus primórdios, e viabilizaram meios de preservar discreta e dissimuladamente solidariedades na diáspora, sustentando redes de contato e comunicações, como ajuda mútua entre seus membros. Manter encontros entre escravizados fora alcance de seus senhores, abrindo espaços religiosos susceptíveis a mesclas de traços litúrgicos, a Igreja Católica assegurou viveres em condições traumáticas da vida colonial e do Império.

 

Maria Antonieta Antonacci