A Divulgação Científica Na Formação Continuada de Professores

Ref: 4183658

A autora, sustenta o percurso que faz, adotando o viés de reflexão da divulgação de conhecimentos produzidos na esfera científica, centrando-se no conteúdo da ciência.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-255-3


Edição: 1


Ano da edição: 2013


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 120


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Mary Tânia dos Santos Carvalho.

2. .

Que sentido teria o conhecimento que produzimos, caso não oportunizássemos aos demais os produtos oriundos de nossas produções? A autora, surpreendentemente, sustenta o percurso que faz, adotando o viés de reflexão da divulgação de conhecimentos produzidos na esfera científica, centrando-se no conteúdo da ciência propriamente dito, instituído com diferentes objetivos, principalmente com a finalidade de atingir a esfera educacional. Sai intenção maior é fazer com que as informações científicas assumam um caráter prático, com o objetivo de esclarecer todos os leitores-cidadãos, levando-os a criarem soluções que possibilitem a resolução de problemas, advindos dos fenômenos que foram cientificamente estudados. 
Para tanto, A divulgação Científica na Formação Continuada de Professores emergiu, apresentando impactos e repercussões gerados dos conhecimentos sistematizados e produzidos pelos sujeitos da pesquisa, que foram os professores que fizeram parte da turma 2011 do Mestrado em Educação em Ciências na Amazônia, vinculados ao Centro de Estudos Superiores de Parintins da Universidade do Estado do Amazonas (CESP-UEA).
O impressionante é a capacidade que a autora demonstra quando apresenta, com propriedade, processos e produtos oriundos dos percursos investigativos dos sujeitos investigados, durante a trajetória formativa que fizeram.
Merece atenção, também, as análises dos discursos dos sujeitos que foram investigados, subsidiadas pelas noções formuladas por teóricos como: Orlandi (2010) e Foucault (2011), organizadas em um todo coerente para se ter unidade e coerência na interpretação dos dizeres. 
O ápice do feito pela autora foi a análise cartográfica que ela faz, para apontar a perspectiva da construção de uma Cultura Científica denominada e representada como espiral da cultura científica e da dinâmica da produção da Ciência dos sujeitos investigados, visualizando-se o processo gerador da cultura no âmbito do Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências.