31/08/2020

Um escritora empreendedora

Tags: BLOG

31/08/2020 - Por: Elilde Browning

Definir a palavra empreendedorismo como uma “arte de criar, inovar e reinventar algo” faz uma simbiose perfeita com o trabalho do escritor. Tudo que escrevemos como um artigo, um romance, um conto ou uma crônica, têm situações semelhantes. Investimo-nos de uma suprarrealidade para trazer aos nossos leitores situações dos personagens, como se estivessem vivenciando cada detalhe e cada sentir no tempo preciso dos acontecimentos.  E assim são os empreendedores. Eles visualizam as oportunidades e enfrentam desafios para atingir suas metas, e também assumem total responsabilidade de seus atos.

Os escritores, seja uma obra de ficção ou baseadas em fatos reais, são senhores absolutos do que escrevem. A imaginação e a criatividade caminham juntas para um resultado perfeito.

O empreendedor cerca-se de detalhes como perfeição, treinam seus funcionários para serem amáveis na valorização de sua clientela, e não se descuidam dos detalhes, e são esses que fazem a diferença de uma empresa para outra.

Temos pelo mundo afora grandiosos empreendedores, que um dia tiveram um insight de criatividade, e se tornaram famosos pelos seus feitos, proporcionando-nos um mundo melhor. O visionário Walt Disney, que acreditou que foi o ratinho que o motivou (Mickey Mouse) e ainda pensava: “se em algum momento podemos imaginar, também podemos criar e tornar o sonho uma realidade”.  O Steve Jobs da Apple.  O Bill Gates, que desejava que um dia, em todas as casas, tivesse um computador. Esse sonho é quase uma realidade.  Eu que trabalhei muitos anos com a famosa máquina de escrever sinto-me confortável de estar escrevendo este artigo com facilidade e precisão absoluta nessa máquina fantástica.

Quantas vezes nos deliciamos com um frango frito em Miami no Kentucky fry Chicken. Esse homem, que então já contava com 61 anos de idade, começou com um pequeno negócio e  distribuía essa iguaria com o lema: “se você gostar encomende, se não gostar, não tem problema”. E hoje é uma das maiores empresas dos Estados Unidos.  Quando ele certamente usou esse slogan deveria ter em  mente que o cliente é de suma importância para qualquer negócio. Essa foi, sem dúvidas, uma atitude positiva para se tornar um empreendedor bem-sucedido.

Uma família italiana em Michigan  tinha uma loja de ferragem. Embora a família fosse unida e seus filhos amassem o seu pai, eles não se sentiam confortáveis para trabalhar naquele comércio. Decidiram, então, alugar uma propriedade em frente e montaram uma pizzaria. Os negócios se expandiram pela qualidade e hoje conhecemos a Pizza Hut, uma das mais saborosas da América.

Quem ler o livro de Phil Knight, The shoe dog, terá ao seu dispor uma história interessante e criativa. Ele era um estudante da Universidade de Oregon e competia em corridas. Ele não era um dos mais brilhantes corredores, mas tinha em mente um plano visionário que o tornou famoso e rico. Quando concluiu o curso, seu pai o presenteou com uma viagem pelo mundo, antes de ele começar a trabalhar, e quando esteve no Japão  foi conhecer a fábrica de tênis Tiger, que ele usava para correr. Ao chegar àquele lugar, decidiu encomendar alguns pares desse tênis, inventou o nome de uma empresa como Blue Ribbon, que dizia ter nos Estados Unidos, pagou 50 dólares pela compra e continuou a sua viagem pelo mundo. Ao voltar para casa encontrou os tênis que comprara. Ele foi o criador e dono da Nike. E muitos outros pelo mundo nos deram exemplos fantásticos de empreendedorismo.

No Brasil temos, também, grandes empreendedores. Talvez o mais famoso seja o Silvio Santos, que, de camelô, atingiu o mais alto nível de negócios em diversas áreas. E também um comunicador nato.

É interessante notar que todo o empreendedor está disposto a correr riscos, para eles isso é uma situação normal, porque faz parte das estratégias dos negócios. Também há determinadas normas que eles consideram importantes: fazer sempre o melhor trabalho em qualquer situação. Aliás, esse deveria ser sempre um fator primordial em todos os trabalhos que executamos. Não importa o tipo de atividade que tenhamos. Primar pela perfeição, além de nos deixar felizes, contribui para que tenhamos sucesso e prosperidade e, acima de tudo,  uma atitude positiva.

No meu livro Voltando a viver, que deverá estar no mercado editorial a partir de fevereiro de 2021, há um conto de duas mulheres, que, abandonadas pelos maridos, decidem se soerguerem e começar um empreendimento de sucesso. Começaram com um pequeno negócio de torta de maçã irlandesa, que costumeiramente faziam para suas famílias. Aos poucos foram abrindo franquias e, de repente, esse empreendimento se tornou um sucesso absoluto. Um fator importante para prosperar num negócio é acreditar e fazer sempre o melhor, e disso elas tinham consciência.

 Ainda, vamos encontrar na obra Voltando a viver o prefácio escrito pelo Professor Marcelo Maia Cirino, professor adjunto do curso de pós-graduação da Universidade de Londrina, que quando li me emocionei. É uma página literária revestida de muita sensibilidade e emoção. A dedicatória é destinada ao meu grande amigo ítalo-americano, o senhor Domingos Nobile, um homem notável pela sua trajetória de vida, os sucessos alcançados nos negócios, um empreendedor de visão ampla e um ser humano dotado de uma inteligência brilhante.

Naquela tarde de domingo com o sol desmaiando no horizonte e ouvindo o Bolero de Ravel, decidi escrever E assim foi a vida, depois de  54 anos de ter escrito A menina e a cidade, cujos originais perdi quando vim morar em São Paulo. E assim foi a vida foi a minha primeira obra a ser editada e publicada pela Editora Appris, de Curitiba. Como alcançou sucesso absoluto de vendas, foi traduzido para o inglês, com o nome Paths of life, e já está em 80 países. Naquele dia, quando entrei na Livraria Books and Books em Miami para fazer o lançamento desse livro, parei um pouco na porta de entrada, e fiz passar um filme em minha mente desde aquela noite, com apenas 11 anos de idade, onde após trabalhar todo o dia e não ter nada para comer, fui dormir faminta. Naquele desespero pensei: nascer pobre independe de nossa vontade, permanecer pobre é uma opção de cada um. Decidir nunca mais passar fome mesmo que tivesse que trabalhar dia e noite.

E assim foi a vida é a história de Lenira, menina pobre nascida no interior da Bahia na cidade de Itabuna, e que aos 11 anos de idade assumiu a incumbência de cuidar de 12 irmãos. Ao ser abandonada pelo marido, com alguns meses de casada e grávida, decidiu ir à luta com determinação e coragem, e venceu todos os desafios. Em determinado momento proclama:  “Realizei todos os meus sonhos, inclusive aqueles que nem me dados o direito de sonhar”. A sinopse conclui: Descubra neste livro a poderosa força da mente e os meandros para vencer as dificuldades da vida.

Em minha obra Crônicas de um tempo infinito há 14 crônicas sobre o viver em seus mais amplos aspectos. São histórias reais, vivenciadas por todos nós, pautadas nos sucessos, encontros, desencontros, amores, desamores, frustrações, conflitos e tudo mais que envolve a vida.

Quando os livros ficaram prontos, visitei a Editora Appris em Curitiba e autografei um livro para cada funcionário da empresa, como um gesto de gratidão, pelo trabalho perfeito que eles fizeram com as minhas obras. Guardo, ainda, na memória a fisionomia de felicidade de todos naquele evento.

 Há um aspecto muito importante a ser considerado: E assim foi a vida escrevi aos 77 anos de idade; Crônicas de um tempo infinito aos 78; Voltando a viver aos 79, e agora aos 80, escrevo Elas e eu, sobre a vida de um amigo e Memórias Inapagáveis, baseado na vida do meu amigo Domingos Nobile, um grande e bem-sucedido empreendedor.

 Normalmente, quando as pessoas se aposentam, por volta dos 60 anos, já não têm ânimo para realizar projetos. Um dia o meu filho, que mora em Miami, me telefonou e perguntou sobre a minha saúde. Respondi: “Quem tem sonhos e projetos a realizar, a saúde fica de plantão esperando para ser feliz também”. Tive o privilégio de, apesar de muito pobre, ter saúde perfeita por toda a vida. Hoje, aos 80 anos, tenho o mesmo peso e o corpo de quando tinha 40.

Durante a vida tive cinco profissões com direito a diplomas e muitas outras atividades: secretária executiva de empresas e universidades, professora de Língua Portuguesa e Inglesa, e depois dos 60 anos de idade: esteticista, mosaicista e escritora. Trabalhei durante 15 anos criando e executando trabalhos com pastilhas de vidro. Muitos dos meus trabalhos estão espalhados pelo mundo. Nos últimos  3 anos, dedico-me apenas a escrever romance, crônicas, contos e artigos para jornais.

Todas essas informações sobre as minhas obras têm a finalidade de ressaltar como estou empreendendo, para tornar conhecidos os meus livros pelo mundo. A minha meta é vender, nos próximos anos, um milhão de exemplares pelas características universais nelas contidas. Há  muitas viagens que eu e o meu marido americano fizemos pelo mundo, inclusive a bordo de um barco de aço que construímos, no quintal de nossa casa, em New Jersey. No dia que esse barco foi para o mar, a TV de New Jersey documentou o evento e em seguida foi feito um documentário sobre  todo esse trabalho, que durou quase 20 anos.

Decidi escrever artigos para os jornais da minha região Ubatuba e Caraguatatuba sobre os mais diversos assuntos e publicá-los, também, nas redes sociais. Criei um site no qual o leitor poderá encontrar todas as informações sobre as obras com um blog de acontecimentos rotineiros. Tenho realizados eventos em galerias de obras de arte. Recentemente, participei de duas lives: a primeira com o meu amigo e jornalista Renato Pequeno, de São Paulo, com o apoio da minha amiga Luciane Abramo, da empresa Ópera Soluções Empresariais e Tecnologia. A segunda live tive o privilégio de ter a companhia do meu grande amigo Oziel Aragão, jornalista renomado e que, também, fez um documentário das minhas origens na cidade de Itabuna e Ilhéus na Bahia, na ocasião em que fui homenageada pela Câmara de Vereadores da minha cidade Natal. Todos esses acontecimentos podem ser visto no YouTube.

A revista Absollut, de São José dos Campos, também documentou um evento em São José dos Campos e o de Miami no lançamento em inglês do meu livro Paths of life, com o suporte da minha grande amiga Benny Lima.

O mais emocionante de todos realizei na Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), em maio de 2008, quando tive a oportunidade de rever onde a minha vida profissional e acadêmica   começou, em 1966, na cidade de São José dos Campos-SP. O meu coração se comportou de maneira satisfatória.

Fui entrevistada na Radio Web do Miau, em Caraguatatuba, pelo escritor Wilson Kocis e o Odilon  Almeida Cavalhaes, em 2009. Naquela ocasião falamos sobre toda a trajetória do livro E assim foi a vida.

Cada leitor que recebe um livro autografado tem uma sacola personalizada com as fotos das obras nos dois lados. São esses detalhes que fazem a diferença da perfeição.

Empreendedorismo é ter uma visão ampla do que queremos construir e vivenciar cada detalhe, antes mesmo de eles acontecerem. Assim é o escritor, que já tem todo o enredo de suas obras em mente e, ao começar as histórias, vai desenrolando as tramas com maestria e criatividade. São situações comuns de pessoas diferenciadas.

A vida é fantástica. Vale a pena viver!


Elilde Browning: Autora dos livros E assim foi a vida, com uma versão em inglês, Paths of life, e
Crônicas de um tempo infinito e Voltando a viver, a ser publicado em janeiro de 2021.  Colunista do jornal Noroeste News, de Caraguatuba-SP.