24/05/2021

O Cabra: as metáforas animais e seus situamentos socioculturais

Tags: BLOG

20/05/2021 - Fernanda Cavalcanti

Será que podemos estabelecer um par mínimo entre a cabra e o cabra?

Isto é, será que a questão que marca o gênero por meio de artigos e demais determinantes é suficiente para entender que estamos falando de cabra na condição de um exemplar considerado masculino da espécie homo, segundo os falantes da comunidade nordestina, sobretudo; e de cabra como exemplar considerado feminino da espécie caprina, segundo todos os falantes do português do Brasil?

Definidamente não!

A língua(gem) é talvez a tecnologia mais sofisticada criada por nós, humanos sapiens. Pois, para a grande parte dos estudiosos contemporâneos no assunto – antropólogos, historiadores, linguistas filósofos e biólogos –, a linguagem dotou-nos de um poder imenso para interagir com o que é humano e não humano. Dessa forma, acreditamos que a diferença de gênero que marca o cabra e a cabra é mais uma prova da sofisticação dessa alta tecnologia chamada linguagem. Por isso, debruçamo-nos sobre essa questão de maneira a estabelecer contraponto entre dois tipos de abordagens semânticas no âmbito dos estudos linguísticos: a semântica lexical e a semântica cognitiva. 

Para tanto, analisamos diversos tipos de dados – romances regionais, cordéis, dicionário de cearês; dicionário geral e dados de campo, coletados a partir da aplicação de cinco questionários junto a 153 participantes – à luz da Teoria da Metáfora Conceptual, formulada por Lakoff e Johnson (1980), e da Teoria dos Modelos Cognitivos Idealizados, formulada por Lakoff (1987). Dessa forma, ao tentarmos examinar as correspondências entre pensamento metafórico/conceitual, linguagem e cultura, chegamos à conclusão de que a polissemia da expressão cabra – o significado não metafórico animal e os significados metafóricos homem, cabra da peste, cabra macho, morador de zona rural, mestiço e cangaceiro – pode ser abordada por meio de mapeamentos metonímicos e metafóricos de agrupamento de modelos ou ainda de agrupamento radial da categoria HOMEM.

Para ler mais sobre o assunto, confira a obra da autora O Cabra: as metáforas animais e seus situamentos socioculturais

 


 

 

 

Fernanda Cavalcanti é pós-doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará, com estágio doutoral no Laboratório de Psicologia Experimental do professor Raymond Gibbs da University of California, Santa Cruz. Mestre em Letras pela Universidade Federal Fluminense. Graduada em Letras – Português-Francês – pela PUC-Rio. Professora adjunto do Departamento de Estudos da Linguagem e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Membro do GT da ANPOLL Linguística e Cognição e da Comissão de Linguagem e Cognição da Associação Brasileira de Linguistica – ABRALIN. Tem capítulos de livro, livro e artigos publicados em revistas especializadas e vem participando de congressos nacionais e internacionais na área da Linguística Cognitiva.