07/07/2021

Emoções cognoscentes

Tags: BLOG

07/07/2021 -  Moisés Lopes da Silva

RESUMO

Este texto é sobre o livro Emoções Cognoscente (Silva, 2020), o qual apresenta a dissertação de mestrado do autor explorando o campo da psicomotricidade e da neurociência para recortar a inter-relação das tríades: psicomotora (1879-1962 como citado em Dantas, 1992), psicanalítica (Freud, 2010) e morfológica (Wecker, 2001) com o objetivo de construir um curso para Formação de Professores que possa criar uma concepção de formação integral de seus alunos com visão ampla na psicomotricidade e específica na importância da dimensão afetiva como chave para estabilizar ou desestabilizar todas as tríades. As hipóteses que se pretende analisar são: 1. a dimensão afetiva tem prioridade sobre todas as dimensões e/ou tríades; e 2. a concepção de formação integral que os professores têm de seus alunos não contempla a visão psicomotora e nem tem sua ênfase na dimensão afetiva de forma relevante.

INTRODUÇÃO

O livro em questão é uma apresentação da dissentação de mestrado do autor transformada em livro pela Editora Appris com o título de Emoções Cognoscentes, o qual expõe a dimensão afetiva à luz da neurociência relacionando a tríade psicomotora (afetividade/motricidade/cognição) (Silva, 2020) com a tríade psicanalítica (id/ego/superego) (Freud, 2010), propondo uma concepção de formação integral que comtemple a psique (afetividade/cognição) e a motricidade a partir da afetividade em curso de Fomação de Professores que Silva apresenta como formação no livro (Emoções Cognoscentes, 2020), contemplando diversos fatores como a seguir se apresenta.

A dialética de Carvalho (2003), em relação à prioridade motora e à prioridade afetiva para equilibrar a tríade psicomotora – não descartando a possibilidade de prioridade, também, na dimensão cognitiva – após a maturação das funções superiores, está contida na alternância walloniana  (1879-1962 como citado em Dantas, 1992) e faz relação com a tríade psicanalítica (Freud, 2010).

A pedagogia Waldorf com nuances afetivas (Bach Junior, 2012) corrobora as postulações wallonianas sobre a prioridade da dimensão afetiva para estabilizar a tríade psicomotora walloniana  (1879-1962 como citado em Dantas, 1992). Chutles apresenta nuances sobre a estabilidade que a afetividade bem conduzida pode proporcionar à tríade psicomotora  (Chutles & Valentini, 2014).

A percepção viso-motora que Carvalho apresenta (A importância da psicomotricidade nas aulas de educação física para estudantes com deficiência físico-motora (Dissertação de mestrado em Educação Física), 2013) traz amostragem de escolares com deficit de atenção e hiperatividade (TDHA) e mostra o quanto a afetividade pode priorizar a estabilidade das tríades, tanto a psicomotora quanto a psicanalítica.

O interesse para direcionar esse trabalho para a Formação de Professores da pesquisa de Chutles (Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina de crianças dos 1°s e 2°s anos do Ensino Fundamental. Temas sobre o Desenvolvimento, 20(109), pp. 56-62, 2014) apresenta uma defasagem de conhecimento dos professores sobre aspectos muito relevantes da motricidade relacionada à aprendizagem.

Wecker (Aula de Anatomia, 2001) trouxe uma visão de interdependência das tríades também com os sistemas morfológicos apresentando referências diretas à neurociência. A interdependência entre 1. lobos do telencéfalo, mais especificamente o frontal, temporais e parietais; 2. sistema límbico, mais especificamente o conjunto de estruturas próximo do lobo da ínsula; e 3. sistema nervoso central com ênfase nas ramificações nervosas a partir do bulbo, as quais seguem paralelas à tridimensionalidade afetiva, cognitiva e motora, formando, portanto, a tríade morfológica. As três tríades apresentadas formam o sistema simbólico do ser cognoscente, ou seja, o ser que aprende tendo como chave de equilibração a alternância walloniana (motricidade/afetividade) (1869-1962 como citado em Dantas, 1992) com prioridade da dimensão afetiva.   

           

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A alternância Wallon não descarta a dimensão cognitiva, como se vê:  “A sensibilidade tem um nível afetivo e outro cognitivo, assim como a motricidade e a linguagem. A revolução orgânica provocada pela emoção se apresenta nas sensações: viscerais, metabólicas, respiratórias, diminuição da acuidade da percepção do exterior [...]” (Wallon 1879-1962 como citado em Dantas, 1992, p. 93), mas essa dimensão não é explorada no trabalho. Carvalho (Tendências da educação psicomotora sob o enfoque walloniano, 2003) cita Wallon e a referida alternância: “[...] dentre as suas contribuições destacar-se-á as suas ideias de alternância funcional e de complexidade do desenvolvimento humano” (Carvalho E. M., 2003, p. 74).  As funções que se alternam nesse postulado são chamadas, também, de esquemas, sistemas e dimensões – cognição, afetividade, motricidade. Carvalho (2003), hipoteticamente, estabelece uma dialética entre a teoria walloniana que ele citou e a estabelecida em seu discurso: “[...] este autor, ao estudar o desenvolvimento infantil, deu ênfase à motricidade, encontrando nesta a origem da emoção e da razão”. (Carvalho E. M., 2003, p. III). Assim, ou percebe-se um paradoxo ou infere-se uma dialética; hipoteticamente, nesse trabalho infere-se a dialética justamente pela alternância. 

Germano (Percepção viso-motora de escolares com Trantorno do Déficif de Atenção co Hiperatividade CoDas, 25(4)., 2013) foca  na “atenção” desde a sua voluntariedade (sem transtorno) até o seu deficit (TDHA). Ele reconhece a capacidade de programação e reprogramação dos órgãos confirmando a inter-relação e/ou interdependência das tríades que resulta em eficácia e/ou velocidade tátil-perceptiva que se equipara à estabilização de todas elas, contudo poderá haver desestabilização devido ao excesso de respostas motoras, causando o deficit de atenção; devido a essa instabilidade motora, mas que, por sua vez, pode já ser  efeito causado por instabilidade na dimensão afetiva. Portando, se a alternância é tênue, há de se cuidar das duas com muita atenção e práticas que as norteiem para uma possível estabilidade.  

Carvalho (A importância da psicomotricidade nas aulas de educação física para estudantes com deficiência físico-motora (Dissertação de mestrado em Educação Física), 2013) sente a necessidade de pisar em terreno mais firme quanto à psicomotricidade nas aulas de Educação Física, e apresenta a hipótese de que existam contribuições em sua pesquisa: “A hipótese desta pesquisa é que existam contribuições no campo da psicomotricidade; capazes de proporcionar mudanças significativas e positivas ao estudante com necessidade especial, mais especificamente ao estudante com deficiência motora nas aulas de Educação Física”  (Carvalho P. C., 2013, p. 13).  Tal postulação infere que faltam corroborações mais consistentes entre pesquisadores – como é o caso da dialética entre Wallon (1879-1962 como citado em Dantas, 1992) e Carvalho (Tendências da educação psicomotora sob o enfoque walloniano, 2003). 

Rosa postula que “a atividade mais frequente e mais comum do homem é escrever” (2002, como citado em Carvalho, 2013, p. 29), e segue descrevendo que essa atividade manual guiada por meio da visão faz todas as tríades inter-reagirem. No simples ato de escrever podemos perceber a inter-relação entre a ética psicanalítica, a morfologia e a psique. Com base nas recentes pesquisas das neurociência é possível concluir que afetividade, cognição e motricidade estão intimamente relacionadas com Lobos do Telencéfalo (LT), Sistema Límbico (SL) e Sistema Nervoso Central (SNC) (Wecker, 2001). Isso nos faz refletir sobre a hipótese da existência de uma energia princípio – um motor que causa e/ou motiva a dialética da positividade/negatividade. Essa energia é, na concepção walloniana, a dimensão afetiva.

A movimentação de recursos piagetianos (1977) faz interagir o inato e o empírico. As reflexões dinâmicas do ser cognoscente, o ser que aprende, considera as diferenças diastráticas (estratos sociais), diafásicas (fases piagetianas) e diatópicas (regionalidades) e, portanto, surge a hipótese de que essa movimentação pode afetar, também, negativamente o retorno do inato ao empírico por meio do SNC, que teve suas causas estabelecidas no SL, que, por sua vez, foi orientado pelos LTs, que impediram a acomodação e/ou equilibração da perturbação por qualquer motivo que seja, e essa ação em cadeia provoca construção de conhecimento que segue na espiral ascendente de forma negativa. A ética psicanalítica soma a pesquisa contida nessa pesquisa no sentido de apresentar, principalmente por meio das neuroses, alterações nas estruturas do ego, superego e id de forma negativa, gerando, assim, mais uma fonte relevante de desestabilização da dimensão afetiva do ser cognoscente. Portanto, temos aqui mais uma proposição para próximas pesquisas.  

Como o empírico e o inato são vias de mão dupla, o ser cognoscente tanto recebe como devolve influências que transformam o meio em que vive assim como é transformado por ele, segundo o próprio princípio gnosiológico (Freire, 1996); provocando assim o interacionismo vygotiskiniano (1896-1934 como citado em Oliveira, 1992) mediado pela afetividade walloniana (1879-1962 como citado em Dantas, 1992). O conhecimento construído em uma movimentação não acomodada se transformará em bloqueios psicanalíticos (Freud, 2010) que impedirão a formação de assunçores, levando a uma aprendizagem mecânica (Ausubel, Novak, & Hanesian, 1978).  

A afetividade negativada é o que principia a situação de estresse. Essa afetividade negativa pode causar em qualquer uma das dimensões das tríades do ser cognoscente a impossibilidade da acomodação (Piajet, 1977). Isso pode acontecer, também, como resultado de uma sobrecarga na dimensão afetiva pelo simples fato de tentar utilizá-la como dimensão cognitiva. Esse é um descuido muito comum dos professores tanto pela falta de conhecimento aprofundado no campo psicomotor como pelo excesso de interação necessária com seus alunos imposto pela profissão.  

A representação motora fina e/ou prática de escrita será diferenciada em variados níveis de aptidão e, se considerarmos a inteligência cinestésico-corpórea das Múltiplas Inteligências  (Gardner, 1980), as pessoas pré-dispostas a tal inteligência vão se destacar nessas representações construindo textos verbais e não verbais com clareza na escrita – o que não significa que, necessariamente, serão textos coesos e coerentes. 

Chutles e Valentini (Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina de crianças dos 1°s e 2°s anos do Ensino Fundamental. Temas sobre o Desenvolvimento, 20(109), pp. 56-62, 2014) apresentam, em “Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina em crianças dos 1ºs e 2ºs anos do ensino fundamental”, uma amostragem inicial não muito relevante em termos quantitativo, pois foi colhida de duas escolas públicas do Rio Grande do Sul, com participação de 49 crianças de 7-9 anos de idade. Um dos objetivos desse estudo foi: “as concepções dos professores e as práticas docentes em relação ao ensino e aprendizagem da escrita e ao desenvolvimento das habilidades motoras finas” (Chutles & Valentini, 2014, p. 58). O resultado a que eles chegaram foi o que motivou e justificou esse trabalho, que corrobora os grandes pensadores para proporcionar solidez na formação de professores com concepção psicomotora quanto à formação integral de seus alunos.   

                                         

METODOLOGIA - DESENVOLVIMENTO

Os procedimentos, métodos e técnicas utilizados no desenvolvimento da pesquisa foram concebidos a partir do estudo de vários referenciais teóricos relacionados ao campo da psicomotricidade visando ao recorte para a motricidade fina para a formação de professor, contemplando livros, teses de doutorados, mestrado e artigos. A morfologia – hardware – da pesquisa será concebida a partir das recentes pesquisas das neurociências em meios eletrônicos. Recentes pesquisas realizadas por Wecker (2001) dão mais visibilidade à ideia de interdependência e inter-relação da psique nas suas dimensões cognitiva e afetiva e das representações motoras (motricidade) a partir da morfologia.

A amplitude do marco referencial da pesquisa visa a informar as discussões do tema recortado e não destruir a eficácia de uma análise mais específica, para tanto, após aprofundamento relevante a uma decisão informada para validar ou não algumas hipóteses, outras ficarão como proposições para futuras pesquisas. 

O processo percorrido deve perseguir os objetivos propostos, que é validar as seguintes hipóteses: 1. não há conhecimento relevante por parte dos professores a respeito da importância da motricidade fina para a aprendizagem de seus alunos; e 2. a dimensão afetiva é prioritariamente responsável pela estabilização ou desestabilização da tríade cognição/afetividade/motricidade. 

As amostragens relacionadas de Chutles e Valentini (2014): a. resultado dos testes de psicomotricidade; e b. entrevista com os professores de uma escola e de outras pesquisas que corroboram essas são as amostragens consideradas na pesquisa para validar a hipótese da concepção de formação integral de seus alunos distanciada da inter-relacionalidade da tríade psicomotora. As amostragens de Bach (2012) serão utilizadas para validar a hipótese da prioridade da dimensão afetiva para estabilização das tríades. A metodologia da pesquisa é, portanto, qualitativa, por ter a sua base apenas em referências bibliográficas. Contudo usará amostragens de Chutles (Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina de crianças dos 1°s e 2°s anos do Ensino Fundamental. Temas sobre o Desenvolvimento, 20(109), pp. 56-62, 2014), que darão natureza, também quantitativa, à metodologia utilizada no trabalho.

A hipótese da concepção de formação integral distanciada da interacionalidade da tríade psicomotora será conjugada com o benefício ou malefício que a dimensão afetiva pode causar às respostas motoras – consideradando ainda a tonicidade walloniana das expressões – adequadas ou inadequadas tanto em relação à interação social quanto à representação a partir da escrita. 

Silva (Emoções Cognoscentes, 2020) desenvolveu um programa de Formação de Professor considerando a inter-relação da tríade psicomotora com descrição do tipo de programa de formação que se vai projetar; descrição do enfoque pedagógico em que se baseará; especificação dos objetivos do programa de formação; descrição do perfil de aluno a que se destina esse curso, bem como de suas necessidades e, finalmente, uma programação do curso que não faz parte do trabalho aqui apresentado; contudo, o que é proposto no referido curso de formação de professores é uma vivência afetiva como chave para estabilizar as tríades psicomotora e psicanalítica do grupo de professores participantes, produzindo resultados que esses possam apreciar, proporcionando, assim, conteúdo no campo da psicomotricidade, neurociência e psicanálise a fim de formar a concepção de formação integral considerando a tríade psicomotora.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Refletindo mais diretamente sobre a compreensão que os professores têm da complexidade inter-relacional psicomotora na motricidade fina no processo de alfabetização, percebemos o foco em traçados bonitos como facilitador da aprendizagem sem nenhuma alusão à estabilidade afetiva que pode ter estabilizado a tríade a fim de não apenas louvarem esses positivados, que a bem da verdade podem não ser a maioria, mas, também, buscar aqueles de traçados feios a partir de uma visão mais ampla no campo da psicomotricidade.  

Chutles (Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina de crianças dos 1°s e 2°s anos do Ensino Fundamental. Temas sobre o Desenvolvimento, 20(109), pp. 56-62, 2014) apresenta uma única professora que demostrou buscar conhecimento teórico em Emília Ferreiro, não corroborando pesquisas recentes nem wallonianas, o que afastou a principal dimensão de seu foco, a saber: a dimensão afetiva para a formação integral de seus alunos segundo a concepção psicomotora. 

 A concepção de construção de conhecimento da grande maioria dos professores entrevistados na pesquisa de Chutles não continha noção de princípio gnosiológico, e muito menos de protagonismo dos alunos, no sentido de criarem hipóteses e validarem no seu mundo inato inter-relacionado de forma integral ou na construção de sua tríade (Chutles & Valentini, 2014).  

Finalmente, Chutles oferece a oportunidade aos professores de darem sugestões e contribuições para as aprendizagens de motricidade fina, e a maioria das respostas contidas na pesquisa referenciada está muito distanciada da dimensão afetiva e focada em tarefas e práticas motoras somente. Tal distanciamento demonstra não apenas a falta de conhecimento da relevância da alternância walloniana para a priorização da gênese da vida nas sensações sem maturação mais próximas das garatujas do que dos pontilhados citados pela maioria. A clonicidade passa desapercebida da relevância, a tonicidade não é objeto de foco, estudo ou análise que tenha relevância à aprendizagem, que, por sua vez, é concebida nas práticas de ensino somente e, portanto, pulverizada e dispersa de princípios básicos na integralidade da construção do ser cognoscente.  

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conclui-se na pesquisa que as hipóteses foram validadas: 1. a dimensão afetiva é a chave principal para estabilizar as tríades psicomotora e psicanalítica; e 2. a concepção de construção integral dos professores não comtempla a inter-relacionalidade da tríade psicomotora.

A proposta da pesquisa é a formação de concepção de integralidade psicomotora e da importância que a afetividade tem na constrtução da integralidade de todo o ser que aprende.

REFERÊNCIAS

Ausubel, D., Novak, J. D., & Hanesian, H. (1978). Educatinal psychology: a cognitive view (2a. ed. ed.). New York, USA: Holt Rinehart and Winston.

Carvalho, E. M. (setembro de 2003). Revista Brasileira de Educação Campinas , 12 Psicol. cienc. prof., 23 (3). Acesso em 20 de janeiro de 2021, disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000300012.

Carvalho, P. C. (2013). A importância da psicomotricidade nas aulas de educação física para estudantes com deficiência físico-motora (Dissertação de mestrado em Educação Física). Salvador, Bahia, Brasil: Universidade Federal da Bahia.

Chutles, L., & Valentini, N. C. (setembro de 2014). Alfabetização e desenvolvimento motor: um estudo sobre o desenvolvimento da escrita e da motricidade fina de crianças dos 1°s e 2°s anos do Ensino Fundamental. Temas sobre o Desenvolvimento, 20(109), pp. 56-62. Acesso em 20 de janeiro de 2021, disponível em https://www.researchgate.net/profile/Nadia_Valentini2/publication/276921391_ALFABETIZACAO_E_DESENVOLVIMENTO_MOTOR_UM_ESTUDO_SOBRE_O_DESENVOLVIMENTO_DA_ESCRITA_E_MOTRICIDADE_FINA_DE_CRIANCAS_DOS_1_E_2_ANOS_DO_ENSINO_FUNDAMENTAL/links/556462da08ae86c06b6a74

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freud, S. (2010). Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo). Acesso em 20 de maio de 2021, disponível em Rev. psiquiatr. clín. vol.37 no.6 São Paulo : https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&vid=S0101-60832010000600005#:~:text=Na%20primeira%20t%C3%B3pica%20de%20Freud,pr%C3%A9%2Dconsciente%20e%20o%20consciente.&text=Para%20Freud%2C%20a%20maior%20parte,as%20puls%C3%B5es%20ou%20instintos1.

Gardner, H. (1980). Howard Gardner, o cientista das inteligências multiplas. Acesso em 20 de janeiro de 2021, disponível em http://revistaescola.abril.com.br/formacao/cientista-inteligencias-multiplas-423312.shtml

Germano, G. D., Pinheiro, F. H., Okuda, P. M., & Capeline, S. A. (2013). Percepção viso-motora de escolares com Trantorno do Déficif de Atenção co Hiperatividade CoDas, 25(4). Acesso em 14 de fevereiro de 2021, disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822013000400007.

Piaget, J. (1971). A epistemologia genética e a pesquisa psicológica. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Piajet, J. (1977). O desenvolvimento do pensamento: equilibração das estruturas cognitivas. São Paulo, Lisboa: Editora Dom Quixote.

Silva, M. L. (2020). Emoções Cognoscentes. Curitiba: Editora Appris.

Taille, P. T., Oliveira, M. K., & Dantas, H. (1992). Piajet, J.; Vygotisky, L.; Wallon, H., P., H.: teorias psicoghenéticas em discussão. São Paulo: Editora Summus.

Wecker, J. E. (2001). Aula de Anatomia. Acesso em 02 de abril de 2020, disponível em https://www.auladeanatomia.com/novosite/pt/sistemas/sistema-nervoso/telencefalo/.

 Acesse a obra do autor neste link.        


 

 

 

 

Moisés Lopes da Silva é mestre em Educação pela Universidad Internacional Iberoamericana (UNINI); dupla titulação no mestrado em Educação com especialidade na Formação de Professores pela Universidad del Atlántico (UNEATLANICO), pós-graduado em Psicopedagogia pela Universidade Santo Amaro (UNISA) e em Libras pela mesma universidade; graduado em Letras pela Faculdade Hoyler e em Pedagogia pela UNISA. Docente no ensino básico de escolas públicas.