Fronteira Agrícola na Amazônia: Capitalismo e Circuitos Produtivos

Ref: 978-85-473-0559-8

Abordando a dinâmica da fronteira agrícola capitalista na Amazônia, a partir da expansão dos circuitos produtivos do agronegócio, e utilizando como estudo de caso a análise do processo de organização do espaço ao longo da BR-163 (Cuiabá-Santarém), Eduardo Margarit investiga os novos arranjos socioespaciais que estão surgindo diante da pavimentação do trecho paraense da rodovia.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0559-8


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 201


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Eduardo Margarit.

Abordando a dinâmica da fronteira agrícola capitalista na Amazônia, a partir da expansão dos circuitos produtivos do agronegócio, e utilizando como estudo de caso a análise do processo de organização do espaço ao longo da BR-163 (Cuiabá-Santarém), Eduardo Margarit investiga os novos arranjos socioespaciais que estão surgindo diante da pavimentação do trecho paraense da rodovia.

A análise dos embates políticos em torno do projeto de pavimentação da BR-163, no contexto do avanço da fronteira agrícola na Amazônia, é de fundamental importância, revelando a constituição de tramas políticas envolvidas com a incorporação de novas terras ao agronegócio.

É na relação existente entre política e território que se situa o recorte teórico e empírico da discussão apresentada neste livro, que desponta como referência para pensar a dinâmica recente de expansão da fronteira agrícola capitalista na Amazônia e suas consequências socioespaciais e ambientais.