Homens Traídos e Práticas da Masculinidade para Suportar a Dor

Ref: 978-85-8192-940-8

Como os homens lidam com a dor da traição feminina? A leitura desta obra possibilita pensar temas e debates, como as memórias femininas sobre o corpo, a sexualidade e a paixão, a relação entre educação e gênero, a honra como exigência cultural para se alojar no corpo feminino, os lugares atribuídos culturalmente ao masculino e ao feminino e as diversas formas de os homens exercerem a masculinidade. Trata-se de uma escrita feminina sobre a experiência da autora e outras tantas, cuja leitura pode ajudar professores e alunos a lançar luz sobre o tema.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-940-8


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 287


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Eronides Câmara de Araújo.

Como os homens lidam com a dor da traição feminina? A leitura desta obra possibilita pensar temas e debates, como as memórias femininas sobre o corpo, a sexualidade e a paixão, a relação entre educação e gênero, a honra como exigência cultural para se alojar no corpo feminino, os lugares atribuídos culturalmente ao masculino e ao feminino e as diversas formas de os homens exercerem a masculinidade. Trata-se de uma escrita feminina sobre a experiência da autora e outras tantas, cuja leitura pode ajudar professores e alunos a lançar luz sobre o tema.

A obra divide-se em quatro partes, a partir de modos de aproximação do tema masculinidade e infidelidade: a pedagogia do corpo feminino para “conduzir” simbolicamente a honra masculina, a luta masculina para “lavar a honra” no tribunal, a criação da Associação de Cornos como forma de agenciar novos códigos da masculinidade e, por último, a fúria discursiva de um grupo de homens sobre o corpo feminino por meio da misoginia e do falocentrismo.

Destinada a todos os homens e a todas as mulheres que desejam, pelas práticas da transformação de si, repensar as relações de gênero e o exercício cultural das masculinidades.