Inserção Profissional de Jovens e Adultos com Deficiência Intelectual

Ref: 978-85-473-0218-4

A inclusão escolar de pessoas com deficiência tem sido tema de debate na mídia e de estudos acadêmicos, e tem apresentado significativos resultados. Porém, o que acontece quando esse sujeito conclui sua escolaridade? Há necessidade de uma estratégia para a transição da escola para a vida adulta e para o mercado de trabalho.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 51,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0218-4


ISBN Digital: 978-85-473-0218-4


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 227


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Annie Gomes Redig.

A inclusão escolar de pessoas com deficiência tem sido tema de debate na mídia e de estudos acadêmicos, e tem apresentado significativos resultados. Porém, o que acontece quando esse sujeito conclui sua escolaridade? Há necessidade de uma estratégia para a transição da escola para a vida adulta e para o mercado de trabalho. Como será a inserção no mundo do trabalho? A legislação brasileira conta com um vasto aparato legal para que os empregadores contratem funcionários com deficiência. Entretanto, em alguns casos, esse contrato possui um viés assistencialista. Nessa direção, Inserção Profissional de Jovens e Adultos com Deficiência Intelectual, de Annie Gomes Redig, apresenta uma pesquisa sobre um programa de colocação de jovens e adultos com deficiência intelectual em atividades laborais. Esse programa é baseado no conceito de customização do trabalho, muito utilizado nos EUA. Todavia, no livro, ele foi adaptado para a realidade brasileira. Essa é uma maneira de garantir que indivíduos com deficiência intelectual tenham a oportunidade de trabalhar, respeitando suas habilidades e interesses, além da necessidade da empresa. A customização do emprego contribui para a eliminação das barreiras atitudinais e de preconceitos, aumentando as probabilidades de desempenho e de produção laboral satisfatória, beneficiando tanto a instituição quanto o funcionário.