Institucionalização do Enem em Perspectiva Crítica

Ref: 978-85-473-0886-5

A realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é hoje um dos momentos mais aguardados por milhares de jovens brasileiros.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 51,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 28,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0886-5


ISBN Digital: 978-85-473-0886-5


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 163


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria Angélica Pedra Minhoto .

A realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é hoje um dos momentos mais aguardados por milhares de jovens brasileiros. Produz um impacto importante na vida de concluintes e egressos da educação básica por viabilizar o ingresso no nível superior, tanto em instituições públicas como privadas de ensino. Institucionalização do Enem em perspectiva crítica convida o leitor a conhecer detalhadamente os primórdios da história do Enem, oferecendo um mapa muito interessante dos anos iniciais de sua institucionalização. Abre oportunidade aos interessados em decifrar, com rigor, as origens de um processo que culminou com o atual gigantismo e importância do exame. Ao longo do livro, a autora ilumina questões intrincadas como o papel do Enem no Sistema Nacional de Avaliação, a correlação de forças e os arranjos institucionais subjacentes ao novo modelo de gestão pública, via terceirização – que no caso do exame recaiu tanto sobre a elaboração das provas quanto sobre os procedimentos operacionais e a divulgação dos resultados do Enem, além de ter fomentado um mercado especializado de avaliação educacional –, a concepção de conhecimento subjacente ao exame e o que suas provas aferiam. A autora analisa criticamente a política de avaliação dos sistemas de ensino, instituída no início do primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso, que, como é evidente hoje, logrou fomentar uma cultura de avaliação no Brasil, além de expandir o número e a abrangência dos exames externos em larga escala nos estados e municípios brasileiros. Ainda que determinadas pela contingência de um momento histórico, as análises empreendidas continuam a proporcionar elementos fundamentais à compreensão de diferentes mecanismos inerentes às recentes políticas educacionais que viabilizam um alto grau de intervenção e controle do governo federal sobre a educação básica, mesmo não sendo essa a esfera administrativa responsável pela oferta desse nível de escolarização no País.