Insucesso Escolar: A Relação entre Escola, Aprendizagem e Linguagem

Ref: 978-85-473-0205-4

Com base em uma perspectiva que supõe a relação direta entre competência linguística e sucesso ou insucesso escolar, este livro volta sua análise para um tipo específico de aluno – aquele considerado em situação de fracasso e que, supostamente, tem baixa competência para fazer uso da língua conforme as exigências requeridas pela escola.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 21,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0205-4


ISBN Digital: 978-85-473-0205-4


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 197


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Gilvan Elias Pereira.

Com base em uma perspectiva que supõe a relação direta entre competência linguística e sucesso ou insucesso escolar, este livro volta sua análise para um tipo específico de aluno – aquele considerado em situação de fracasso e que, supostamente, tem baixa competência para fazer uso da língua conforme as exigências requeridas pela escola.

Com apoio na teoria sociológica de Bernard Charlot (da relação com o saber) e em outros estudos sobre fracasso escolar e ensino da língua, Gilvan Elias Pereira propõe-se a conhecer o aluno real em situação de fracasso, a fim de melhor compreender o que está por trás das alarmantes estatísticas do insucesso escolar, levando em consideração o peso da linguagem quando se trata de aprendizagem. Em outras palavras: entender a complexidade da relação entre escola, aprendizagem (relação com o saber) e linguagem.

Em suas reflexões, o autor considerou que cada aluno excluído da escola, ou em situação de fracasso escolar, tem sua história, e que cada história é marcada fortemente, entre outras coisas, pelas barreiras que o baixo nível de competência linguística impõe.

Apresentados no livro, os resultados de pesquisa mostram que o estigma do aluno que não aprende, que não consegue ler e escrever com as competências requeridas pela escola, que se mantém nela à beira do analfabetismo, retrata o modelo de escola excludente e seletiva, ainda muito presente na sociedade brasileira, escola essa que não pode ser compreendida apenas pela lógica das estatísticas ou das teorias sociodeterministas que ignoram o aluno real em favor de números e porcentagens que mascaram sua existência.