Língua e Direito: Uma Relação de Nunca Acabar

Ref: 978-85-473-0773-8

Língua e Direito: uma relação de nunca acabar apresenta a relação entre ensino de língua e profissionais concernidos no segmento jurídico e sugere ao leitor que o ensino de língua pode traduzir-se em gesto de civilidade e de alteridade, de zelo acadêmico que persiste na construção de lugares de consistência intelectual e de produção de ciência. 


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 28,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0773-8


ISBN Digital: 978-85-473-0773-8


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 300


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Rossaly Beatriz Chioquetta Lorenset.

Língua e Direito: uma relação de nunca acabar apresenta a relação entre ensino de língua e profissionais concernidos no segmento jurídico e sugere ao leitor que o ensino de língua pode traduzir-se em gesto de civilidade e de alteridade, de zelo acadêmico que persiste na construção de lugares de consistência intelectual e de produção de ciência. Este livro apresenta uma pesquisa acerca do discurso sobre o ensino de Língua Portuguesa em curso superior de Direito. Questões norteiam a análise e  sustentam a reflexão da autora acerca dos saberes de língua em funcionamento nesse ensino, sobre o imaginário de língua que emerge no fio do discurso de documentos institucionais, materializado nos ementários de componentes curriculares de Língua Portuguesa de uma graduação em Direito e a respeito de quais marcas do percurso da historicidade do Ensino de Língua Portuguesa no Brasil – políticas linguísticas – são constitutivas do quadro atual do ensino de Língua Portuguesa desse curso. Ao buscar compreender essas indagações, o fio da meada e de sustentação desta obra é a teoria da Análise do Discurso francesa de Michel Pêcheux e de seus seguidores brasileiros: trabalha-se a língua em uma relação menos ingênua, que considera a porosidade da superfície linear e desconfia do óbvio. O gesto analítico permite ao leitor aprofundar-se na teoria da Análise do Discurso para compreender a dimensão política das práticas de linguagem. A originalidade deste estudo é o núcleo temático e os documentos selecionados para os procedimentos de análise. Neste (per)curso de leitura e de escritura, no gesto de interpretação do sujeito responsável pelo que diz, a autora tropeça nas pistas linguísticas, na materialidade dos enunciados e depara-se com sentidos e evidências distantes da neutralidade e da univocidade, provocando dúvidas, indagações, conduzindo a deslocamentos constantes entre a compreensão da teoria e dos textos.