Línguas Encruzilhadas: Histórias de Meninos e Medicalização na Educação

Ref: 978-85-473-0109-5

O desejo de escritura da obra se constitui no encontro com a vida. Enreda o difícil exercício de traçar um plano de sentido. Sentido pungente, pendente, fabricado, impossível. Uma teoria sobre o rumor das práticas cotidianas reinventa uma multiplicidade que não permite a redução da potência da vida a lugares definidos e opacos. Faz, em contrapartida, insistir a teimosia e o lugar de tensão, colocados nos jogos de saber-poder instituídos por nossos modos de viver.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00 R$ 31,20 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 52,00 R$ 29,00 45% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0109-5


ISBN Digital: 978-85-473-0109-5


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 173


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria Carolina de Andrade Freitas.

O desejo de escritura da obra se constitui no encontro com a vida. Enreda o difícil exercício de traçar um plano de sentido. Sentido pungente, pendente, fabricado, impossível. Uma teoria sobre o rumor das práticas cotidianas reinventa uma multiplicidade que não permite a redução da potência da vida a lugares definidos e opacos. Faz, em contrapartida, insistir a teimosia e o lugar de tensão, colocados nos jogos de saber-poder instituídos por nossos modos de viver. A medicalização e a consequente ‘medicamentação’ da vida passa a ser uma alternativa cada vez mais valorizada e buscada como forma de cuidado e terapêutica, inclusive no que diz respeito ao enfrentamento dos desafios no campo da educação e em relação às queixas escolares sobre os meninos que não aprendem. Contudo, com as histórias dos meninos espera-se rasurar o tempo e o discurso corrente. Elas demonstram como cada menino inventa suas próprias forças para lidar com as forças do mundo. Nos espaços lacunares de invenção da língua,  constroem-se mais do que apenas totalizações e sujeições. Pode-se, inclusive, afirmar a imanente capacidade de se aprender ou adivinhar o novo, pela via da invenção de memórias. Este livro, portanto, não se detém a empenhar nenhum tipo de a priori sobre os efeitos da medicalização da vida no âmbito da educação. Ao contrário, procura abrir brechas e fincar guizos nas remendadas palavras ordinárias escutadas no caminho da pesquisa; preocupa-se em cartografar alguns esquemas operacionais, postos em funcionamento no fenômeno apreendido, somente para desmoroná-los, numa própria experimentação linguageira, que deseja produzir outras apostas e intenções.