Manoel de Barros: A Poética da Infância e dos Espaços

Ref: 4461368

O livro faz uma leitura de dois dos signos vitais da poesia manoelina - infância e Pantanal - a partir de seus livros iniciais: Poemas concebidos sem pecado (1937), Face imóvel (1942) e Poesias (1956)


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-840-1


Edição:


Ano da edição: 2015


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 157


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Alan Bezerra Torres.

Em Manoel de Barros:a poética da infância e dos espaços, Alan Bezerra Torres opta por fazer uma leitura de dois dos signos vitais da poesia manoelina - infância e Pantanal - a partir de seus livros iniciais: Poemas concebidos sem pecado (1937), Face imóvel (1942) e Poesias (1956). Segundo Torres, a artesania poética que redunda nessa escritura primeira "gera uma tensão entre as categorias campo e cidade", e é essa particularidade que o incita a verificar como a poesia de Barros cria, através da recordação da infância, cenários característicos para as modalidades de espaço, trazendo para a cidade, o mais das vezes, uma feição negativa, de desconforto para o eu lírico, em contraste com o campo, lugar que se lhe revela como idílico.