Minha Pátria é Minha Língua: Identidade e Sistema Literário na Galiza

Ref: 978-85-473-0380-8

Situada no Estado espanhol, no noroeste de Península Ibérica, a Galiza, junto com o norte de Portugal, já foi definida como a “célula matricial da lusofonia”. Foi lá que nasceu a língua que, por meio de Portugal, iria se difundir pelo restante do mundo. Não obstante os laços culturais e linguísticos que nos unem à Galiza, é grande o desconhecimento no Brasil a respeito da cultura, história e literatura galegas. É com o objetivo de começar a suprir essa lacuna que este estudo volta-se para as estratégias de construção da identidade e constituição do sistema literário na Galiza.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 34,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0380-8


ISBN Digital: 978-85-473-0380-8


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 343


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Otto Leopoldo Winck.

Situada no Estado espanhol, no noroeste de Península Ibérica, a Galiza, junto com o norte de Portugal, já foi definida como a “célula matricial da lusofonia”. Foi lá que nasceu a língua que, por meio de Portugal, iria se difundir pelo restante do mundo. Não obstante os laços culturais e linguísticos que nos unem à Galiza, é grande o desconhecimento no Brasil a respeito da cultura, história e literatura galegas. É com o objetivo de começar a suprir essa lacuna que este estudo volta-se para as estratégias de construção da identidade e constituição do sistema literário na Galiza. Para isso, primeiramente, debruça-se sobre a noção de identidade cultural e suas mutações na (pós)modernidade. A seguir, rastreia o surgimento e as transformações dos conceitos de nação e nacionalismo, suas implicações na ascensão dos Estados nacionais modernos e a situação das nações sem Estado, detendo-se sobre o conceito de “comunidade imaginada”, cunhado por Benedict Anderson. A partir daí, depois de um mergulho na história da Galiza e nas origens de seu nacionalismo, problematiza, à luz da Teoria dos Polissistemas, o conceito de sistema literário e sua aplicabilidade à literatura produzida na Galiza e em galego. Então, após um olhar sobre a história da literatura galega e os problemas concernentes a sua língua e sua relação com o português, o trabalho se detém de maneira especial sobre três narrativas: os romances Arredor de si, de Ramón Otero Pedrayo (1930), Periferias, de Carlos Quiroga (1999) – ambos autores galegos –, e o relato de viagens Chão galego, do brasileiro de pai galego Renard Perez (1972). Com efeito, conhecer a Galiza e a sua história, longe de mero diletantismo, é uma viagem de retorno às nossas origens linguístico-culturais, um périplo de volta à fonte onde pela primeira vez soaram as palavras que hoje ouvimos e falamos. E se, como cantou Caetano Veloso, citando Fernando Pessoa, minha pátria é a minha língua, nada melhor para esta odisseia identitária do que partir em busca do solo onde originalmente germinou essa “última flor do Lácio”.