Morte - A tarefa de quem fica

Ref: 4175499

Reflexões sobre amor e morte numa perspectiva Junguiana.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 40,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-120-4


Edição:


Ano da edição: 2013


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 105


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Ana Maria Cordeiro.

A morte é um tema grande e fundamental para o entendimento do que é ser humano. Por saber que vamos morrer e que temos o risco de perder pessoas muito importantes, os sentimentos que surgem são perturbadores. 
Perder uma pessoa amada por morte, inevitavelmente, provoca uma ferida na alma.
A presença de uma ausência provoca afetos anárquicos e desorganizadores. Encontrar um destino e significação para o amor sem objeto passa a ser tarefa do enlutado. Para tal, muita dor e trabalho são necessários.
Crescer a partir da dor, integrar à identidade a condição de ferido e enfrentar heroicamente a necessidade de capitular, diante dos conteúdos que a morte nos apresenta, é a saída possível para quem procura uma vida com sentido e inteireza. Tanto Hillman como Jung falam que fugir da morte constitui uma perda para a vida. Penso que as pessoas atingidas pela morte de um ente muito amado correm o risco de perder-se na dor estéril, mas, por outro lado, têm a chance de desenvolver dotações profundas de enfrentamento das mudanças inevitáveis do viver.