Entre a Rua e o Refúgio: Juventude e Abrigamento no Rio e em Roma

Ref: 978-85-473-0081-4

O debate sobre refugiados na Europa e a permanência de meninos em situação de rua no Brasil são temas em destaque no cenário político social. Por isso Beatriz Brandão faz grande contribuição para a discussão ao expor os resultados de um estudo comparativo entre as trajetórias de jovens “refugiados” na Itália e meninos de rua no Brasil. 


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-0081-4


ISBN Digital: 978-85-473-0081-4


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 271


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 21 cm


1. Beatriz Brandão.

O debate sobre refugiados na Europa e a permanência de meninos em situação de rua no Brasil são temas em destaque no cenário político social. Por isso Beatriz Brandão faz grande contribuição para a discussão ao expor os resultados de um estudo comparativo entre as trajetórias de jovens “refugiados” na Itália e meninos de rua no Brasil. A pesquisa se deu basicamente em instituições de acolhimento em Roma e no Rio de Janeiro, onde estavam internados os personagens que dão vida a este texto. Por meio da observação participante, a autora desenvolveu uma pesquisa descritiva das singularidades dos dois cenários, tendo acesso às narrativas que possibilitaram analisar as vias de conflito e proximidade dos sujeitos com a instituição. Dois grupos de jovens diferentes com processos de vida distintos, mas que compartilham o fato de possuírem uma carreira de rupturas; a formação de vínculos frágeis no processo de construção de suas identidades; as vidas tuteladas por uma instituição e por esta se constituir no único meio de associação com o mundo externo formal, seja por via do trabalho ou da adoção de uma família. Como se formam os vínculos institucionais e de que modo os jovens abrigados interpretam e questionam a função social do acolhimento em suas vidas? Como isso reflete na relação cotidiana com a instituição? São essas as questões centrais respondidas nesta obra.