Não se diz tudo ao Marido: Família, Casamento e Autonomia entre Mulheres do Início do Século XX

Ref: 4002461

As obrigações do amor: astúcias e resistência de mulheres dos setores médios nascidas no início do século XX.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-057-7


Edição:


Ano da edição: 2012


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 218


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria da Conceição Lafayette de Almeida.

Este livro tem por objetivo compreender as relações de gênero vivenciadas por mulheres de camadas médias, casadas e nascidas em Recife entre 1919 e 1931. Considerando relações de gênero como relações de poder, importa, aqui, apreender as várias dimensões que o poder assume em suas vidas. Contrariamente àquelas teorias de gênero que tratam o poder como algo puramente relacional, seguindo Anthony Giddens, considero o poder como constitutivo da agência humana e, portanto, como inerente aos agentes sociais. 

De acordo com os modelos de família patriarcal e de família nuclear estudados por Gilberto Freyre e Antônio Cândido, os papéis masculinos e femininos são assimétricos, cabendo às mulheres o mundo da casa e uma posição subordinada. Já os homens, identificados com o mundo da rua, ocupam posições de mando. Partindo do questionamento das fronteiras rígidas entre casa e rua, levantei a hipótese de que uma relativa autonomia, assim como formas de resistência mais ou menos veladas se faziam presentes na vida dessas mulheres, o que as caracterizava como agentes, no sentido definido por Giddens, e não simplesmente vítimas passivas da dominação masculina.

Com base na combinação entre feminismo e hermenêutica, procedi à interpretação dos relatos de 20 mulheres acerca de temas relativos a casamento, cuidados com os outros e trabalho. Estes mostraram como as mulheres, ao longo de suas vidas, através de recursos que lhes eram disponíveis, definiram espaços de autonomia, cuidaram e influenciaram pessoas, exercendo autoridade e, por fim, definiram estratégias a seu favor, ora contradizendo, ora confirmando o modelo tradicional de família. As mulheres entrevistadas, portanto, procuraram romper com o modelo de subordinação, foram dinâmicas em sua agência e, na medida do possível, encontraram um lugar para elas mesmas.