500 Anos de Solidão: Ensaios sobre as Desigualdades Raciais no Brasil

Ref: 978-85-8192-248-5

O Brasil nos últimos quinze anos atravessou um importante momento em termos da expansão dos direitos de cidadania para a população afrodescendente.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00 R$ 50,00 20% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-248-5


Edição: 1


Ano da edição: 2013


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 340


Encadernação: Brochura


Peso: 1 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Marcelo Paixão.

O Brasil nos últimos quinze anos atravessou um importante momento em termos da expansão dos direitos de cidadania para a população afrodescendente. Isso englobou a criação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), o reconhecimento constitucional das Comunidades de Descendentes de Quilombos às suas terras ancestrais, as ações afirmativas de ingresso discente nas Universidades, a Lei 11.645 (que estabeleceu a obrigatoriedade de ensino de História da África e da população afrodescendente nas redes de ensino fundamental), bem como diversas outras conquistas recentes. Todavia, indo além das políticas, talvez o principal ganho do movimento negro brasileiro contemporâneo tenha sido o fato de que este finalmente logrou avançar importantes espaços na trincheira das ideologias, no caso através do reconhecimento por parte do Estado e da socidade civil de que o racismo, tal qual operante no nosso país, não apenas existe, mas, como, acarreta profundas e trágicas, sequelas para o nosso tecido social.

Tais políticas, por outro lado, foram fundamentalmente justificadas por um movimento que ganhou impulso nos últimos anos de estudos dos indicadores sociais desagregados pelos grupos de cor ou raça. Na verdade, essas estatísticas sociais já são levantadas no nosso país há bastante tempo (a esse respeito ver o capítulo 1 deste livro). Porém, somente em um período mais recente que o uso das estatísticas passou a se disseminar de forma mais ampla, envolvendo não somente os estudos acadêmicos, mas, também, sua divulgação pela mídia e seu uso prático por parte dos ativistas dos movimentos sociais de luta pelos direitos de cidadania dos afrodescendentes. 

Os estudos que seguem neste livro estão inseridos justamente dentro deste movimento histórico tão significativo para o Brasil dos dias atuais.