Nos Rastros da Natureza

Ref: 978-85-473-0024-1

A Conversão da Experiência Rural em Ecológica a Partir de Uma Política de Estado


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0024-1


ISBN Digital: 978-85-473-0024-1


Edição:


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 219


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Carlos Alberto Steil.

2. Rodrigo Toniol.

Nos rastros da natureza se inscreve em uma trajetória de estudos que busca convergir as esferas da experiência humana separadas pelas disciplinas científicas em campos de conhecimento. Nesse sentido, ao descreverem essas experiências de caminhadas na natureza, os autores dialogam com a própria trajetória que as constituiu como fenômeno contemporâneo, evidenciando as transformações que tais caminhadas produzem na percepção dos que caminham, tornando-os habitantes das paisagens.

O foco impresso ao problema que motivou o estudo é motivador: a promoção e a realização de caminhadas na natureza entre as lavouras de produtores rurais numa região empobrecida do Estado do Paraná, no Brasil, relacionam-se com uma série de transformações amplas que contribuem à constituição de um idioma ambiental, contemporâneo, que revitaliza políticas públicas e permite reconhecer alguns processos de institucionalização da questão ambiental e seus agenciamentos específicos e locais, ou gerais e globais.

Na medida em que os autores evidenciam como tal institucionalização se arranja em um novo modelo civilizacional (com mudanças de concepções morais, éticas e estéticas), estabelecem correspondências homólogas com as ações e projetos de atores envolvidos direta ou indiretamente na promoção de tal modelo. Essas correspondências permitem desvelar mediações que convergem para a organização das caminhadas na natureza, mas também, explicitar uma diversidade de agenciamentos operantes sobre a mesma (desde instâncias estatais, organizações da sociedade civil e da população local de produtores rurais), o que possibilita reconhecer propósitos latentes e manifestos dos atores (que os autores denominam “modos de relacionar sobrepostos na experiência”) não somente na realização das caminhadas, mas também “no modo pelo qual experimentam a caminhada, forjando sentidos do que seja ecologia, natureza e paisagens rurais”.

José Rogério Lopes