O Tribunal do Futuro e o Futuro dos Tribunais

Ref: 978-85-473-0782-0

O Tribunal do futuro e o futuro dos tribunais é a denominação da disciplina, de mesmo nome, oferecida no curso de pós-graduação em Direito, mestrado e doutorado, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, desde 2015, por nós ministrada e idealizada conjuntamente com a brilhante ex-aluna e mestra, a desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho, da 2ª Região de São Paulo, Drª Leila Chevtchuk.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0782-0


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 141


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria Celeste Cordeiro Leite Santos.

2. Marilene Araujo.

O Tribunal do futuro e o futuro dos tribunais é a denominação da disciplina, de mesmo nome, oferecida no curso de pós-graduação em Direito, mestrado e doutorado, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, desde 2015, por nós ministrada e idealizada conjuntamente com a brilhante ex-aluna e mestra, a desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho, da 2ª Região de São Paulo, Drª Leila Chevtchuk. Fruto da evolução científico-tecnológica e aperfeiçoamento dos Tribunais na era da informática, esta obra reúne artigos de eminentes magistrados e professores abordando temas como: “Justiça, eficiência do Poder Judiciário e a duração razoável do processo”; “O Código de Processo Civil, conflitos e a performance do Direito na sociedade de informação”; “O marco civil da internet: liberdade de expressão, privacidade, intimidade, responsabilidade”, temas que também nomeiam os respectivos capítulos, entre outros. No mundo virtual, o tempo não é medida e não parece ser considerado como um antes e um depois. O espaço hoje, conhecido como cyberspace, é diverso do espaço físico. É um ambiente do anonimato, um “não lugar”, simulacro das identidades, no qual a “desterritorialização” se faz presente. Nesse novo mundo, de topologia ambiental alterada, as horas “se perdem” em conversações eletrônicas e o homem depende da atividade do outro em rede. Depende, ainda, da capacidade de seus aparelhos eletrônicos e é limitado por um tempo adquirido (internet) e por programas judiciais que, muitas vezes, não funcionam a contento. Percepções cognitivas na interpretação das normas, em uma sociedade de informação, no futuro dos Tribunais são inéditas e a coletânea, ao ser publicada pela renomada Editora Appris, presta destacada contribuição à cultura jurídica brasileira.

 

Maria Celeste Cordeiro Leite dos Santos