Os Anjos Também Surtam

Ref: 4264040

Existe visgo neste romance. Ierecê Barbosa caprichou na confecção dele, a começar pelo pretexto: o suicídio de Kedma. Calminha! Não se trata de um romance regado a sangue, um thriller policial.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-330-7


Edição: 1


Ano da edição: 2014


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 184


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Ierecê Barbosa.

Existe visgo neste romance. Ierecê Barbosa caprichou na confecção dele, a começar pelo pretexto: o suicídio de Kedma. Calminha! Não se trata de um romance regado a sangue, um thriller policial. A autora usou tal pretexto para abrir diversos caminhos que constituem verdadeiras clareiras de pensamento a respeito da existência humana. Em particular da vida de quem se aventura no Magistério.
Neste aspecto, agiganta-se Leny, a personagem principal, por sua imensa capacidade de enxergar e de discutir os elementos das tramas em que se vê enredada e nas quais enreda magistralmente o leitor. Professora ¿ seria uma simples coincidência com a autora? -, ela age guiada pelo entendimento de que a verdade de ontem nem sempre é a de hoje.
Essa postura aparece na forma como Leny trata de temas como suicídio, felicidade, amor, desejo, amizade, vampirização, (des)confiança, traição, (des)respeito, (de)pressão, trabalho, prazer, etc., enquanto tenta entender as razões do gesto radical de Kedma. Ao mesmo tempo, Leny ¿embaraça¿ o leitor nas suas próprias questões existenciais; por exemplo, a relação dela com Talmon. Instigante e surpreendente.
No ensaio ¿A arte da ficção¿ (1884), Henry James defendeu a ideia de que o sentido moral de uma obra só é possível se conjugado à autenticidade da ¿experiência¿ relatada. Quer-nos parecer que em boa medida isso está consubstanciado neste livro de Ierecê, o qual contém outro indispensável ingrediente recomendado pelo saudoso escritor e ensaísta para se compor um romance: a substância do espetáculo humano.
Carlos Branco. Jornalista