Performatividades Reguladas: Heteronormatividade, Narrativas Biográficas e Educação

Ref: 978-85-473-0114-9

As alterações que vivemos no século XXI nos inserem em um contexto social em que críticas feministas ao sujeito universal reinventaram discursos e dispositivos de análise científica, política e jurídica dos séculos anteriores a respeito de sexualidade e gênero. Entre outros fatores, as biotecnologias, os recursos midíaticos, a internet e suas redes sociais, as alterações nas dinâmicas capitalistas, a proliferação de uso das instituições integradoras e a emergência dos movimentos sociais identitários, sem esquecer as implicações ocorridas no pós-aids, resultaram em uma complexa rede pedagógica em que se formam, conformam e regulam os sujeitos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0114-9


Edição: 1


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 315


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Marcio Caetano.

As alterações que vivemos no século XXI nos inserem em um contexto social em que críticas feministas ao sujeito universal reinventaram discursos e dispositivos de análise científica, política e jurídica dos séculos anteriores a respeito de sexualidade e gênero. Entre outros fatores, as biotecnologias, os recursos midíaticos, a internet e suas redes sociais, as alterações nas dinâmicas capitalistas, a proliferação de uso das instituições integradoras e a emergência dos movimentos sociais identitários, sem esquecer as implicações ocorridas no pós-aids, resultaram em uma complexa rede pedagógica em que se formam, conformam e regulam os sujeitos.

Nessa perspectiva, o corpo foi tomado como o efeito criativo que, considerando as marcas sexuais, raciais e de classe, performatiza inúmeras possibilidades. Com isso, os marcadores identitários tradicionais, a exemplo dos sexuais, foram problematizados e desestabilizados por inúmeras formas de vivê-los. Este livro, portanto, apresenta os discursos sobre gênero e sexualidade que interpelaram as narrativas biográficas e os movimentos curriculares de professoras e professores que transitam na ilegibilidade ou incoerência heteronormativa, produzindo performatividades, acordos e negociações nas escolas.