Sangue, Cauim e Cerveja: A metáfora em Jorge Luis Borges à Luz do Perspectivismo Ameríndio

Ref: 4454940

Ao nos debruçarmos sobre o ensaio Las kenningar de Jorge Luis Borges, propomos reflexões acerca desse recurso característico dos poemas medievais islandeses, que é acomodado sob a noção de metáfora.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-777-0


Edição: 1


Ano da edição: 2015


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 143


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Sabrina Alvernaz.

Ao nos debruçarmos sobre o ensaio Las kenningar de Jorge Luis Borges, propomos reflexões acerca desse recurso característico dos poemas medievais islandeses, que é acomodado sob a noção de metáfora. Certo ângulo aberto pelo texto de Borges permite pensar as kenningar de uma forma que é surpreendentemente próxima do perspectivismo descrito pelo antropólogo Viveiros de Castro em suas reflexões sobre a vida e o pensamento ameríndio. Tal afinidade é fomentada por inusitados encontros: se o "sangue", por exemplo, nas kenningar, pode ser "a cerveja dos corvos" para os ameríndios, pode ser "o cauim do jaguar". Destacamos nos dois casos o privilégio de uma perspectiva e a predominância das relações em devir - e isso de um modo que promete subverter o pendor logocêntrico, que tende a permanecer como "matéria velha" em percepções contemporâneas ocidentais sobre a palavra, mesmo entre os mais perseverantes críticos da visão representacionista da linguagem.