Saúde Mental e Gênero: Diálogos, Práticas e Interdisciplinaridade

Ref: 4274329

De que forma o mandato da diferença sexual, presente na construção dos conhecimentos médicos e psicanalíticos sobre a histeria, se atualiza nos modos contemporâneos de tratamento da aflição?


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-325-3


Edição: 1


Ano da edição: 2014


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 244


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Valeska Zanello.

2. Ana Paula Müller de Andrade.

(...) De que forma o mandato da diferença sexual, presente na construção dos conhecimentos médicos e psicanalíticos sobre a histeria, se atualiza nos modos contemporâneos de tratamento da aflição? O que temos percebido em pesquisas etnográficas e interdisciplinares é que os discursos da diferença de gênero, mesmo não sendo em muitos momentos explicitados de forma clara, constituem e ditam práticas de profissionais e agentes do Estado nas áreas de saúde em geral, de saúde da mulher e de saúde mental. Dois conceitos têm operado nesses dispositivos, de forma articulada ou não. O primeiro é o conceito de ciclo de vida da mulher como parâmetro para pensar sua maior ou menor vulnerabilidade para a vivência de problemas ou distúrbios de ordem psicológica ou mental. (...) O outro conceito que opera, mais ligado aos saberes e culturas psi contemporâneos, é o de subjetividade feminina, largamente utilizado em discursos dos mais diversos, do campo das psicologias ao feminismo. Seu fundamento é, a partir de uma substantivação do que seja a própria ideia de subjetividade, qualificar o que seriam os sujeitos femininos, vistos assim como detentores de um modo específico e intrínseco de subjetividade. Falar dessa maneira em subjetividade feminina acaba mais uma vez reforçando os regimes da diferença, naturalizando processos que são construídos histórica e politicamente.(...)