Semiótica e Política: A Educação como Mediação

Ref: 4443687

SEMIÓTICA E POLÍTICA: a educação como mediação, talvez, um dos temas de maior importância no que diz respeito à equidade humana, à justiça social e às causas do bem comum.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-802-9


Edição: 1


Ano da edição: 2015


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 245


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Aparecida Luzia Alzira Zuin.

SEMIÓTICA E POLÍTICA: a educação como mediação, talvez, um dos temas de maior importância no que diz respeito à equidade humana, à justiça social e às causas do bem comum. Tema de tanta relevância quanto a coragem e ousadia de quem se propõe a imergir nesse universo com o afinco com que se lança Aparecida Luzia Alzira Zuin, que nos brinda com suas análises alicerçadas em teorias que se coadunam nos campos das ciências da comunicação, da educação, da semiótica e da sociologia.
Este livro nos instiga a repensar nossos papéis na crítica e na observação dos atos dos gestores públicos, a nossa responsabilidade na vigilância cotidiana do bem social, porque, somente pela prática efetiva dos cidadãos na esfera pública, os recursos tenderão a ser minuciosamente cuidados. Logo, faz também despertar em nós o dever cidadão de promover a cidadania. Utopia? Que somos nós sem ela? Nossa busca é constante, Paulo Freire nos deixa o belo legado sobre isso, que Aparecida Zuin soube muito bem nos relembrar neste seu livro. Essa busca pode se dar na cidade, principalmente, na cidade que se coloca mediadora da educação, por isso, Cidade Educadora, porque só será educadora quando todos, gestores públicos e cidadãos, em conjunto, definirem seus rumos em prol da justiça social.
Esta obra, passa a ser leitura obrigatória para aqueles que pretendem entender e multiplicar o sentido mais puro de educação (por outros olhares, como incita a Semiótica), fazer dela uma mediação entre saberes e sabores, "enquanto os homens exercem seus podres poderes" (Caetano Veloso).

Prof. Dr. Antonio Roberto Chiachiri Filho