Eu-universitário: Formas de Subjetividade

Ref: 978-85-473-0599-4

A investigação que o leitor tem em mãos estuda o sentido atribuído pelos jovens estudantes à sua formação universitária, e vem romper com o senso comum que rotineiramente associa jovem/juventude a problemas/dificuldades. A análise desses jovens em suas relações consigo mesmos, com pares, família, universidade e sociedade é pautada pelos pressupostos teórico-metodológicos da psicologia sócio-histórica de Vygotsky, fundamentada na perspectiva do materialismo histórico-dialético e compreendida em seu funcionamento psicológico à luz de sua gênese e evolução.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00 R$ 31,20 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 52,00 R$ 23,00 56% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0599-4


ISBN Digital: 978-85-473-0599-4


Edição:


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 13/07/2017


Número de páginas: 199


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Ivoni de Souza Fernandes.

A investigação que o leitor tem em mãos estuda o sentido atribuído pelos jovens estudantes à sua formação universitária, e vem romper com o senso comum que rotineiramente associa jovem/juventude a problemas/dificuldades.

A análise desses jovens em suas relações consigo mesmos, com pares, família, universidade e sociedade é pautada pelos pressupostos teórico-metodológicos da psicologia sócio-histórica de Vygotsky, fundamentada na perspectiva do materialismo histórico-dialético e compreendida em seu funcionamento psicológico à luz de sua gênese e evolução.

Com os instrumentos apresentadas neste livro, acadêmicos e pesquisadores poderão conseguir maior aprofundamento na pesquisa, que é o objetivo central do ensino e da aprendizagem na universidade, lembrando que a juventude é uma qualidade, e não uma questão de circunstância. Por isso, apesar de nem sempre podermos construir o futuro para nossa juventude, ainda podemos construir nossa juventude para o futuro. Para um mundo melhor, porque é possível. Possível porque mediado pela ótica e pela participação juvenil, tanto numa dimensão estética quanto ética.