Conversando Sobre Luto com Adultos e Crianças: A Ciranda do Viver/Morrer

Ref: 978-85-473-0635-9

Dia e noite, nascer e morrer, claro e escuro, começo e fim, vida e morte. O que parece oposto é um complemento. Só é possível pensar em um aspecto considerando o outro. A partir dessa ideia entendemos que a finitude pode acontecer a qualquer momento e nunca é cedo demais para refletir sobre isso. Pensar em seguro de vida, plano funerário, testamento... Isso é apenas uma preocupação com os aspectos concretos de algo que acontecerá.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0635-9


ISBN Digital: 978-85-473-0635-9


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 107


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Gisele Gressler.

2. Aparecida Malandrin Andriatte.

Dia e noite, nascer e morrer, claro e escuro, começo e fim, vida e morte.

O que parece oposto é um complemento. Só é possível pensar em um aspecto considerando o outro. A partir dessa ideia entendemos que a finitude pode acontecer a qualquer momento e nunca é cedo demais para refletir sobre isso.

Pensar em seguro de vida, plano funerário, testamento... Isso é apenas uma preocupação com os aspectos concretos de algo que acontecerá.

É um assunto difícil, costuma até ser evitado, mas faz parte da trajetória de todo ser vivo. Estamos  juntos nessa ciranda de vida e morte, sabemos a hora da chegada, mas desconhecemos o momento da partida.

Nossa proposta é uma literatura que, por meio de pequenas histórias ilustradas, amplie a discussão sobre o luto para as crianças e adolescentes, a morte para os adultos e idosos, além de outros lutos, como pela pátria e pelos animais.

Você vai entender que falar é melhor que calar, porque assim a tristeza vai virando saudade, que por sua vez marca as coisas boas que vivemos. Nesse assunto, o maior problema não é ficar triste, é ficar sozinho, isolado, vivendo num vazio em que a dor parece não ter fim!