Relações de Gênero na Literatura de Cordel Relações de Gênero na Literatura de Cordel

Ref: 978-85-8192-856-2

Em Relações de gênero na literatura de cordel, o leitor insere-se num mundo em que a tradição manda, calcada em poesias e recitações, onde os homens são protagonistas e as mulheres expectadoras.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-856-2


Edição: 1


Ano da edição: 2015


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 255


Encadernação: Brochura


Peso: 2 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Miguel Pereira Barros.

Em Relações de gênero na literatura de cordel, o leitor insere-se num mundo em que a tradição manda, calcada em poesias e recitações, onde os homens são protagonistas e as mulheres expectadoras. Adentrando no universo do cordel, o leitor embarca em uma viagem pela história dessa poesia popular, resgatando as suas origens no Nordeste, especialmente Recife e João Pessoa, onde o cordel se desenvolveu e se firmou enquanto forma de literatura. Nesse histórico realçam-se também três grandes poetas responsáveis pela consolidação do cordel como literatura: Leandro Gomes de Barros, Francisco das Chagas Batista e João Martins de Athayde. Cada um, a sua maneira, contribuiu no enriquecimento do cordel, seja na formatação de um modo específico de fazer folhetos, seja na edição e venda em mercados populares, influenciando as gerações vindouras. Fazendo a ponte com o Sudeste, enfatiza-se o papel da Editora Luzeiro enquanto vendedora e divulgadora da literatura de cordel em São Paulo, cenário onde essa literatura cresce e se expande, a partir da década de 1960 até o século XXI. É nesse cenário que a pesquisa sobre relações de gênero desenvolve-se, uma vez que no final do século XX e começo do século XXI, as mulheres cordelistas ganham destaque, vez e voz, num mundo outrora dominado pelos homens. Dessa forma, buscando compreender esse novo cenário da literatura de cordel no século XXI, o autor faz a análise de uma amostra dos cordéis produzidos pela Editora Luzeiro, entre os anos de 2001-2012, observando as participações de homens e mulheres na produção dos folhetos, autoria e histórias elaboradas. Como resultado, observam-se poucas mudanças nesse universo, caracterizado por grandes histórias povoadas por heróis e donzelas em perigo.