Bizarrices no Brasil I: A Política

Ref: 978-85-473-1345-6

Bizarrices no Brasil I é o primeiro de alguns volumes em que nos debruçaremos sobre fatos relevantes da nossa história, relembrando que esta não é mero espelho de adorno –, no qual olhamos e simplesmente seguimos adiante. As mentalidades, ao longo dos anos, no nosso caso são cinco séculos –, formaram o pensamento social brasileiro. Mas o que é isso?


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 70,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 31,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1345-6


ISBN Digital: 978-85-473-1346-3


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 13/06/2018


Número de páginas: 281


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marcio José Silva.

Bizarrices no Brasil I é o primeiro de alguns volumes em que nos debruçaremos sobre fatos relevantes da nossa história, relembrando que esta não é mero espelho de adorno –, no qual olhamos e simplesmente seguimos adiante. As mentalidades, ao longo dos anos, no nosso caso são cinco séculos –, formaram o pensamento social brasileiro. Mas o que é isso? São as mentalidades e ações que ocorrem no mundo social, entre aquilo que é público e coletivo, oposto ao individual e privado; são as ideias, as crenças, a herança imaterial que todos carregamos coletivamente e que se manifesta nos nossos anseios de um mundo melhor, justo, mesmo sabendo que há obstáculos que estão além do nosso alcance para solução desses problemas. Por esse motivo, Bizarrices no Brasil vai nos ajudar a entender como chegamos ao Brasil de hoje, sabendo que a história não é um acaso, não é destino, não é providência divina; ela e a sociedade que a reflete são produto de mentalidades que se acumulam por séculos e fazem de todos nós um só povo. Assim, a preocupação das ciências sociais, a saber, é estudar os aspectos sociais do mundo humano, a vida de indivíduos e grupos, a fim de explicar e compreender algumas ocorrências que parecem aspectos isolados ou casualidades, mas não são. Esse é o propósito da nossa obra: entender por que estamos acompanhados de “amigos” inconvenientes há tanto tempo, como a corrupção, por exemplo.