Premissas a uma Anticriminologia Psicanalítica

Ref: 978-85-473-0964-0

Quem são os indivíduos objetivamente criminosos? Quais seus fantasmas e suas motivações interiores? Têm cura? Como intervir sobre eles no sentido de transformá-los e reeducá-los? Pode haver, para tanto, uma tecnologia possível?


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0964-0


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 14/06/2018


Número de páginas: 121


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Felipe de Campos Ribeiro.

Quem são os indivíduos objetivamente criminosos? Quais seus fantasmas e suas motivações interiores? Têm cura? Como intervir sobre eles no sentido de transformá-los e reeducá-los? Pode haver, para tanto, uma tecnologia possível?

Essas são as perguntas que, mais do que nunca, balizam as diversas técnicas para a obtenção da verdade sobre as ações humanas que transgridem as normas sociais. Somos culturalmente permeados pela obsessiva vontade de saber sobre os rincões mais recônditos dos nossos mundos interiores.

O que o dispositivo psicanalítico tem a dizer nesse contexto? Qual sua ética? Se, por um lado, a única instituição eminentemente psicanalítica é a clínica – no interior da qual a regra fundamental é a concessão de liberdade à fala do outro sobre si mesmo a partir de suas livres associações –, por outro lado, os psicanalistas são diariamente convidados a ingressar, como tantos outros profissionais psi, nos diversos sistemas institucionais de gestão e controle sociais (como o Poder Judiciário).

Premissas a uma anticriminologia psicanalítica consiste na exploração de textos de S. Freud, S. Ferenczi e J. Lacan, específicos sobre a compreensão do crime no interior do pensamento psicanalítico, bem como sobre os impasses da prática psicanalítica em face das demandas da criminologia.