Gênero e Loucura na Literatura

Ref: 978-85-473-0841-4

Este livro tem como mote abordar a relação entre loucura, gênero e literatura. Assim, os capítulos que o compõem apresentam-se como diferentes configurações sobre a temática, abordando-a de perspectivas diversas. Pensar a loucura na literatura significa pensar as formas de vivência do estranhamento, do desvio da norma em que serão elaboradas, e que visões de mundo são vazadas nelas. Embora isso se coloque para qualquer tema a ser apropriado por textos literários, a loucura traz seus próprios desafios.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 51,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0841-4


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 15/06/2018


Número de páginas: 211


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. .

2. Cíntia Schwantes.

Este livro tem como mote abordar a relação entre loucura, gênero e literatura. Assim, os capítulos que o compõem apresentam-se como diferentes configurações sobre a temática, abordando-a de perspectivas diversas. Pensar a loucura na literatura significa pensar as formas de vivência do estranhamento, do desvio da norma em que serão elaboradas, e que visões de mundo são vazadas nelas. Embora isso se coloque para qualquer tema a ser apropriado por textos literários, a loucura traz seus próprios desafios. A representação, questão central na literatura, encontrará algumas dificuldades ao enfrentar essa experiência que não raro se traduz como impossibilidade de articulação, de acesso à linguagem, ou, por outro lado, impõe o acesso a uma linguagem que não pode ser partilhada. Assim, as formas de representar a personagem louca irão variar, tanto no que concerne ao gênero literário utilizado quanto à proximidade ou distância que a narrativa toma dessa aporia, que é a representação de algo que recusa a linguagem.

A obra literária também pode e deve ser compreendida como produto cultural de uma época, fonte de acesso a vários conflitos dos quais o autor se faz porta-voz. A loucura será uma na literatura medieval; outra no Romantismo. Assim, tanto pode-se pensar a presença da produção literária como processo de organização e simbolização na loucura como manancial ao qual se pode ascender para compreender conflitos humanos. Trata-se de certa manifestação do trabalho psíquico do autor e, nisso, revela-se, muitas vezes, como ponte para a escuta de outra cena.

O texto literário, segundo Freud, assemelha-se aos sonhos e é tão revelador quanto. No entanto a literatura tem o condão de revelar não apenas o que está no inconsciente do sonhador, mas no de todo o grupo que compartilha o texto, o lê e interpreta. Por esse motivo, a análise das narrativas e dos poemas aqui apresentados, sobre a loucura e seus loucos, ou escritos por eles, abre-nos uma porta para a compreensão da relação entre loucura e literatura, e sobre a literatura e suas aporias, bem como a loucura e suas opacidades, além de revelarem experiências específicas da loucura segundo uma posição no mundo que se dá, em nossa cultura, sempre de forma gendrada.