Argentina/78 – Uma Copa do Mundo: Política, Popular e Polêmica

Ref: 978-85-473-1649-5

Pedi para entrevistar o ministro de esportes argentino. Não tinha a menor intenção em ouvi-lo. É preciso agora confessar que não passava de um vergonhoso golpe. O que eu precisava era entrar no prédio da Secretaría de Deporte, Educación Física y Recreación, o equivalente à pasta de esportes daqui. Chegar até a Avenida Miguel B. Sánchez 1050, enganar com algumas perguntas e botar em prática a última parte do plano: dar uma desculpa e conseguir autorização para ir ao teto do prédio.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 30,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1649-5


ISBN Digital: 978-85-473-1736-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 20/06/2018


Número de páginas: 277


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Alvaro Vicente G. Truppel P. do Cabo.

Pedi para entrevistar o ministro de esportes argentino.

Não tinha a menor intenção em ouvi-lo.

É preciso agora confessar que não passava de um vergonhoso golpe.

O que eu precisava era entrar no prédio da Secretaría de Deporte, Educación Física y Recreación, o equivalente à pasta de esportes daqui. Chegar até a Avenida Miguel B. Sánchez 1050, enganar com algumas perguntas e botar em prática a última parte do plano: dar uma desculpa e conseguir autorização para ir ao teto do prédio.

O prédio fica exatamente no meio do caminho entre o Monumental de Nuñez e a Esma (Escuela Superior de Mecánica de la Armada), o maior campo de concentração e genocídio das ditaduras do continente. Quatro décadas depois, tentar mostrar em imagem a aberração que foi tudo aquilo: enquanto se jogava uma final de Copa do Mundo, gente era torturada. Entre um e outro, 700 metros de distância.

Impossível não perder a respiração ali quando se consegue estabelecer no raio do seu olhar a dimensão do absurdo.

Pois ler este “Argentina 78: uma Copa do Mundo política, popular e polêmica” é um pouco como estar de novo no teto daquele prédio entre a Esma e o campo do River.

Ler a obra de Alvaro do Cabo é, palavra por palavra, ter no olhar a dimensão do absurdo do que foi aquilo tudo.

O rigor acadêmico de Alvaro aliado à narrativa digna de uma grande reportagem. Memória fundamental de um tempo para que “nunca más”.

Os pecados de sempre da imprensa, salvo as exceções de sempre, estão no que já é um dos livros mais relevantes sobre esse período.

Expõe as exacerbadas “defesas da nação” presentes nas crônicas tanto aqui como lá. Que nos dão boas pistas para entendermos como chegamos até aqui: outros tempos, outros temas e a mesma imprensa cúmplice que outrora “não viu” os horrores das ditaduras e anos depois “não viu” o mar de lama que inundava a Fifa.

Ler Alvaro do Cabo é mais do que nunca a expressão da velha definição do que é História: “conhecer o passado para entender o presente”.

 

Lúcio de Castro

Historiador e Jornalista