Intertextualidade: A Nomeada nas Personagens de Machado de Assis

Ref: 978-85-473-1388-3

Em Intertextualidade: a nomeada nas personagens de Machado de Assis, a autora apresenta uma galeria de personagens amantes de si mesmas, movidas pelo desejo exagerado de “nomeada ou amor da glória”, tema  identificado na vasta produção literária de Machado de Assis, porque acompanha o autor por mais de quatro décadas. Para realização da proposta, a autora apresenta a trajetória artística do escritor, os temas mais trabalhados por ele, a presença da nomeada em obras de outros escritores, bem como na Filosofia.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1388-3


ISBN Digital: 978-85-473-1389-0


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 12/07/2018


Número de páginas: 241


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Valdira Meira Cardoso de Souza.

Em Intertextualidade: a nomeada nas personagens de Machado de Assis, a autora apresenta uma galeria de personagens amantes de si mesmas, movidas pelo desejo exagerado de “nomeada ou amor da glória”, tema  identificado na vasta produção literária de Machado de Assis, porque acompanha o autor por mais de quatro décadas. Para realização da proposta, a autora apresenta a trajetória artística do escritor, os temas mais trabalhados por ele, a presença da nomeada em obras de outros escritores, bem como na Filosofia. A estudiosa seleciona o romance Memórias póstumas de Brás Cubas como texto central e insere vários contos para melhor discussão do tema em questão – “O alienista”, “O segredo do Bonzo”, “A sereníssima República”, “Conto alexandrino”, “Cantigas de esponsais”, “Um homem célebre” e “Teoria do medalhão”. Tendo em vista as assimilações e os empréstimos operados por Machado de Assis em suas narrativas, o último capítulo deste livro realiza o estudo dos textos que podem ser vinculados à intertextualidade alógrafa, a saber: “O homem da areia” (Hoffman) e “O capitão Mendonça”, “O coração denunciador” (Poe) e “O enfermeiro” (Machado de Assis). O aparato teórico que sustenta as análises abrange as teorias referentes à intertextualidade, à crítica temática e aos elementos da narrativa: personagem e narrador. Machado de Assis nasceu em 21 de junho de 1839 e faleceu em 29 de setembro de 1908, portanto o livro que você, leitor, está a contemplar vem à luz 110 anos após a morte do brilhante autor. Sua obra continua despertando interesse do público porque seus temas envolvem o ser humano em qualquer espaço e em qualquer tempo, e, movido pelo sentimento íntimo que tanto defendeu, criou uma obra sem limites temporais e geográficos.