O Supereu Canibal: Compulsão, Impulsão e o Desmentido da Privação na Atualidade

Ref: 978-85-473-1716-4

O que tem a psicanálise a dizer sobre as compulsões e as impulsões na atualidade? Quais as implicações do supereu nessas formas de sofrimento? Há um supereu contemporâneo diferente do supereu freudiano? O livro O supereu canibal: compulsão, impulsão e o desmentido da privação na atualidade, de Rogerio Quintella, vem buscar responder a essas indagações sem mais do mesmo: apresenta novos conceitos e propostas teóricas originais e necessárias ao avanço da reflexão psicanalítica atual.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1716-4


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 26/07/2018


Número de páginas: 177


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Rogerio Robbe Quintella.

O que tem a psicanálise a dizer sobre as compulsões e as impulsões na atualidade? Quais as implicações do supereu nessas formas de sofrimento? Há um supereu contemporâneo diferente do supereu freudiano? O livro O supereu canibal: compulsão, impulsão e o desmentido da privação na atualidade, de Rogerio Quintella, vem buscar responder a essas indagações sem mais do mesmo: apresenta novos conceitos e propostas teóricas originais e necessárias ao avanço da reflexão psicanalítica atual.

Hoje muitos sujeitos acham-se dominados por forças da ordem de uma urgência. Comprar, comer, drogar-se, consumir, jogar e fazer sexo impulsivamente são atos que se dirigem a objetos fixos sem contorno simbólico. Constatam-se também, quase diariamente, situações na mídia e nas redes sociais que espantam e chocam, evidenciando que a subjetividade humana não busca simplesmente a vida ou o prazer, mas joga com as raias da morte.  Práticas midiáticas, como a "Baleia Azul", os desafios do YouTube, o "condom snorting challenge" e as experiências que atiram o sujeito ao limite da vida reverberam como forças que colocam em xeque a suposta ordenação natural da sobrevivência, arrebatando o ser humano de uma determinação meramente instintiva.

Este livro dispõe-se a pensar as experiências impulsivas e essas experiências-limite. Apresentando na primeira parte a teorização de Freud e Lacan sobre o supereu de maneira profunda, o livro avança para tratar problemas com os quais a psicanálise defronta-se constantemente: as mudanças na forma como o sujeito do inconsciente lida com o excesso, com o desejo e com maneiras diversas de gozo. Não apenas dirigido para o público diretamente voltado à psicanálise, mas também a outros campos de conhecimento a ela afins, esta obra visa a abranger reflexões cruciais sobre o sofrimento do sujeito contemporâneo em sua busca frenética pelo prazer e pela liberdade, que redundam num além do prazer frente às ofertas pregnantes de consumo e de gozo na sociedade atual.

Impulsão, compulsão e privação aparecem nesta obra como elementos-chave para se pensar tal problemática no mal-estar atual, de forma que possamos trazer para a cena as prerrogativas teóricas freudianas repensadas numa perspectiva contemporânea: especialmente aqui sobre o conceito de supereu.