A Formação do Homem Moral em Sêneca: Pressupostos Educativos na Contemporaneidade

Ref: 978-85-473-0258-0

A obra de Rosana Vasconcelos Vito constitui um parâmetro entre alguns conceitos da educação senequiana e os pressupostos educativos contemplados no relatório Delors para a Unesco. O texto teve como objetivo apresentar a importância da formação moral do homem independentemente do seu tempo histórico. Para tanto, a realização deste escrito aborda alguns pressupostos educativos da formação senequiana e do relatório Delors, que, apesar de se assemelharem nos conceitos, trazem especificidades muito distintas em seu bojo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 36,00 R$ 21,60 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 36,00 R$ 16,00 56% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0258-0


ISBN Digital: 978-85-473-1807-9


Edição: 1


Ano da edição: 2016


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 133


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Rosana Vasconcelos Vito.

A obra de Rosana Vasconcelos Vito constitui um parâmetro entre alguns conceitos da educação senequiana e os pressupostos educativos contemplados no relatório Delors para a Unesco. O texto teve como objetivo apresentar a importância da formação moral do homem independentemente do seu tempo histórico. Para tanto, a realização deste escrito aborda alguns pressupostos educativos da formação senequiana e do relatório Delors, que, apesar de se assemelharem nos conceitos, trazem especificidades muito distintas em seu bojo. Ao longo da história, a educação sempre foi percebida como forma de mudança, seja ela pessoal, econômica, política ou social. Ainda, sempre apresentou intensões que abarcam a necessidade de formação do homem para atender a sociedade. Com isso, no primeiro século, Sêneca, ilustre filósofo e educador do imperador Nero, visou à formação do homem simplesmente para ser feliz. Era um momento de muita turbulência social em Roma, quando a infelicidade, os vícios e as paixões adoeciam o homem, afastando-o da felicidade. Em pleno século XXI, esses vícios e paixões estão presentes na sociedade, porém, com a força de um sistema neoliberal e a indigência do capitalismo, a formação do homem recebe instruções de “como deve ser o desenvolvimento acadêmico, a formação dos professores, os níveis de estudo e tudo mais que necessita para responder a demanda da sociedade vigente”. Essas instruções são apresentadas no relatório Delors para a Unesco, e são entendidas como caminho norteador da educação para atender os preceitos de “um planeta cada vez mais povoado” e que precisa de boa formação para evitar conflitos. Nesse sentido, o relatório Delors ressalta aspectos educativos que se subentende que estão explícitos na formação moral do homem.

Mas se nos ativermos à necessidade de educar para evitar conflitos sociais e responder à demanda de uma sociedade em pleno desenvolvimento que precisa de “força de trabalho”, poderíamos também almejar a essência de Sêneca na busca pela felicidade do homem? A educação dentro de uma sociedade que se apresenta cada vez mais competitiva, devido à sua própria demanda, não seria o gatilho para desencadear mais conflitos? Afinal, que tipo de educação precisamos no século XXI?