A Formação do Sujeito Cooperativo: Uma Experiência na Educação

Ref: 978-85-473-0334-1

A formação de sujeitos cooperativos é uma demanda da sociedade contemporânea, que chega às escolas por diferentes caminhos, mas também no bojo das políticas públicas de currículo, que buscam direcionar a ação docente. O Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio de Janeiro, assumiu esse compromisso em seu Projeto Político-Pedagógico, ao afirmar ao aluno que pretende formar: “cidadãos críticos, orientados para a cooperação igualitária, ética, mais fraterna e solidária”. Mas de que modo se investe na formação do sujeito cooperativo nas práticas cotidianas do Colégio Pedro II?


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 54,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0334-1


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 293


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Maria da Conceição da Silva Barros de Souza.

A formação de sujeitos cooperativos é uma demanda da sociedade contemporânea, que chega às escolas por diferentes caminhos, mas também no bojo das políticas públicas de currículo, que buscam direcionar a ação docente. O Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio de Janeiro, assumiu esse compromisso em seu Projeto Político-Pedagógico, ao afirmar ao aluno que pretende formar: “cidadãos críticos, orientados para a cooperação igualitária, ética, mais fraterna e solidária”. Mas de que modo se investe na formação do sujeito cooperativo nas práticas cotidianas do Colégio Pedro II?

O objetivo da pesquisa aqui relatada foi analisar a formação do cidadão cooperativo como um processo de produção de subjetividades, que tem início nas lógicas que circulam em nossa sociedade. No entanto, o objetivo específico foi investigar o lugar que a formação do sujeito cooperativo ocupa nas práticas de docentes e gestores do Colégio Pedro II, e em que medida elas são influenciadas pelas políticas públicas, como os Parâmetros Curriculares Nacionais, e pelo Projeto Político Pedagógico, do Colégio.

A pesquisa se concentrou na Unidade São Cristóvão I, uma das unidades conhecida como Pedrinho, por atender apenas a alunos do primeiro segmento do Ensino Fundamental. O período abrangeu os anos de 2011 e 2012, aproximadamente dez anos após a elaboração e publicação do Projeto Político Pedagógico e mais de cento e setenta anos da fundação do Colégio. Não seria possível, portanto, descartar a história do Colégio, na busca de elementos que expliquem a realidade atual.

A construção do campo de investigação deu-se a partir da análise de documentos, mas também das entrevistas e conversas com profissionais e pais de alunos com quem convivi durante mais de vinte anos, em reuniões pedagógicas e administrativas ou simplesmente nos pátios e corredores.

Se você, leitor, vive o dia a dia da educação nacional, talvez reconheça algumas semelhanças, mas não duvide: ainda há muito espaço para a produção de singularidades, na microfísica do cotidiano.