Reconhecimento Jurídico-Social da Identidade LGBTI+

Ref: 978-85-473-1920-5

O livro “Reconhecimento jurídico-social da identidade LGBTI+” lança um olhar multidisciplinar sobre as liberdades sexual e de gênero e sua referência com o meio jurídico. A obra dedica-se a compreender a identidade LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, travestis e intersexuais) a partir da teoria do reconhecimento social de Axel Honneth, na qual a interação social é necessária para a legitimação da liberdade do outro.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1920-5


ISBN Digital: 978-85-473-1921-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 31/08/2018


Número de páginas: 171


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marco Antonio Turatti Junior.

O livro “Reconhecimento jurídico-social da identidade LGBTI+” lança um olhar multidisciplinar sobre as liberdades sexual e de gênero e sua referência com o meio jurídico. A obra dedica-se a compreender a identidade LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, travestis e intersexuais) a partir da teoria do reconhecimento social de Axel Honneth, na qual a interação social é necessária para a legitimação da liberdade do outro. E são nessas interações sociais que se discutem o respeito, a tolerância, o preconceito e o discurso de ódio, indicando como o meio jurídico enxerga o grupo vulnerável em suas legislações e aplicações. O autor coloca em diálogo autores consagrados com as novas vertentes de pensamento, fazendo com que qualquer identidade, marcada pela sua sexualidade ou pelo seu gênero, seja reconhecida nestas páginas. Por seu conteúdo interdisciplinar e focado na construção de uma realidade atual pelo processo histórico e social da formação da identidade, esta leitura torna-se uma excelente fonte de compreensão dos conceitos sobre sexualidade, identidade, dignidade e personalidade. E assim, surge como uma leitura obrigatória para a compreensão e busca de direitos, tanto pela militância como para a comunidade acadêmica.