A Educação no Quilombo e os Saberes do Quilombo na Escola

Ref: 978-85-473-1257-2

Somos chamados a reinventar novas formas de se pensar a negritude. Se antes os quilombos eram vistos como “reduto” de negros fugidos, nesta proposta convido o leitor a reinventar histórias, a trazer consigo as imagens e poéticas de uma comunidade quilombola, que, a exemplo de muitas outras no Brasil, compreende narrativas de sujeitos invisibilizados em sua própria trajetória.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 53,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1257-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 31/08/2018


Número de páginas: 213


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Patrícia Gomes Rufino Andrade.

Somos chamados a reinventar novas formas de se pensar a negritude. Se antes os quilombos eram vistos como “reduto” de negros fugidos, nesta proposta convido o leitor a reinventar histórias, a trazer consigo as imagens e poéticas de uma comunidade quilombola, que, a exemplo de muitas outras no Brasil, compreende narrativas de sujeitos invisibilizados em sua própria trajetória. Trago a minha história ilustrativa como quilombola que, nas marcas da oralidade, narra os caminhos poéticos do caxambu, com histórias de Mestre Laurinda, a ilustrativa história de Adão Ventura, de crianças e de professores muito importantes nessta proposta educativa. Naquela época, Leonardo Ventura ensaiava seu caminho “griô” – contador de causos, de histórias. Desvendar a comunidade de Monte Alegre e colocá-la no centro da discussão dos reconhecimentos dos Territórios Quilombolas foi um grande desafio, porque estávamos no auge da discussão e compreensão dos processos de reconhecimento e tentando compreender as relações místicas do quilombo. Conto essa história de “cabeça para baixo”, e desafio você a adentrar esse maravilhoso mundo. Boa leitura!