Dores que Libertam: Falas de Mulheres das Favelas da Maré, no Rio de Janeiro, Sobre Violências

Ref: 978-85-473-1922-9

Dores que libertam: falas de mulheres das favelas da Maré, no Rio de Janeiro, sobre violências é uma coletânea de artigos que, nesta primeira edição, conta com o financiamento da Capes e resulta de iniciativas (pesquisa e intervenção artística) realizadas no âmbito do projeto “Cidades saudáveis, seguras e com equidade de gêneros: perspectivas transnacionais sobre violência urbana contra mulheres do Rio de Janeiro e em Londres”, financiado por Economic and Social Research Council (ESRC) e Newton Fund. O estudo foi realizado entre novembro de 2016 e abril de 2018, a partir da parceria entre a Escola de Serviço Social (UFRJ), a Organização Não Governamental denominada Redes de Desenvolvimento da Maré, o People’s Palace Projects (Queen Mary University of London) e o King’s College London University.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1922-9


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 03/09/2018


Número de páginas: 179


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Miriam Krenzinger.

2. Eliana Sousa Silva.

3. Cathy McIlwaine.

4. Paul Heritage.

Dores que libertam: falas de mulheres das favelas da Maré, no Rio de Janeiro, sobre violências é uma coletânea de artigos que, nesta primeira edição, conta com o financiamento da Capes e resulta de iniciativas (pesquisa e intervenção artística) realizadas no âmbito do projeto “Cidades saudáveis, seguras e com equidade de gêneros: perspectivas transnacionais sobre violência urbana contra mulheres do Rio de Janeiro e em Londres”, financiado por Economic and Social Research Council (ESRC) e Newton Fund. O estudo foi realizado entre novembro de 2016 e abril de 2018, a partir da parceria entre a Escola de Serviço Social (UFRJ), a Organização Não Governamental denominada Redes de Desenvolvimento da Maré, o People’s Palace Projects (Queen Mary University of London) e o King’s College London University.

Os capítulos aqui publicados apresentam resultados da referida pesquisa realizada com mais de 850 mulheres na Maré, maior conjunto de favelas no Rio de Janeiro, e, também, com profissionais e gestores de serviços públicos e ONGs que atuam na proteção dessas mulheres. Foram utilizados diferentes métodos de pesquisa e coleta de dados, que contribuíram para a compreensão do fenômeno em um contexto marcado pela violência urbana e estigmatizações diversas. Algumas conclusões alcançadas no âmbito desta pesquisa apontam para a necessidade de qualificação dos serviços de atendimento disponíveis a essas mulheres, e de segurança para a tomada de providências em busca de seus direitos no campo do acesso à justiça e às demais dimensões de proteção. A coletânea conta, também, com o depoimento de cinco assistentes de pesquisa de campo, que relataram a experiência de realizar 801 visitas domiciliares, em 15 favelas da Maré. A pesquisa teve como um de seus desdobramentos a instalação artística denominada SCAR (cicatriz), realizada no festival internacional denominado Women of the World (WOW), no Southbank Centre, em Londres, no início de 2018. Todo o processo de confecção das narrativas, informações e análises que nortearam este estudo está também aqui relatados. Há, ainda, e merece destaque especial, a contribuição das pesquisadoras do Reino Unido, com o artigo que versa sobre a experiência de mulheres brasileiras moradoras de Londres que vivenciaram dinâmicas violentas, complexificadas pela condição de imigrantes. No Brasil, onde os dados sobre diferentes formas de violência contra a mulher, em particular a violência doméstica, são alarmantes, este livro contribui para a reflexão de todas e todos as/os envolvidas/os no processo de enfrentamento desse fenômeno. Convidamos à leitura e desejamos que esta obra propicie o debate e a articulação de propostas.

 

Prof.ª Dr.ª Rosana Morgado

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFRJ