Enquanto Isso em Dom Casmurro

Ref: 978-85-473-1963-2

Se ousarmos um pouco, podemos afirmar que, no princípio, era Dom Casmurro a linguagem. Linguagem. Também era o pensamento de Capitu. Romance realista é Caixa de Pandora. Às vezes, personagens como ela dão um basta às amarras e debandam. Buscam outros ares. Outras histórias. Ela acabava de debandar.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-1963-2


ISBN Digital: 978-85-473-2023-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 25/10/2018


Número de páginas: 193


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. José Endoença Martins.

Se ousarmos um pouco, podemos afirmar que, no princípio, era Dom Casmurro a linguagem. Linguagem. Também era o pensamento de Capitu. Romance realista é Caixa de Pandora. Às vezes, personagens como ela dão um basta às amarras e debandam. Buscam outros ares. Outras histórias. Ela acabava de debandar. Se ousarmos ainda mais, podemos desejar que, agora, é Enquanto isso em Dom Casmurro a linguagem da linguagem. Capitu já se encontrava na nova história. Proferia as primeiras palavras. Sujas. Para sentir o efeito da linguagem na voz própria, e ouvidos. “Merda. Que vidinha de merda essa minha.” O ensaio verbal agradara à autora. A linguagem tinha carne, energia, vida. Tinha mais, muito mais, que Machado de Assis. Esta cidade já foi negra, bem negra. Tão negra como a negritude da louca Bertília, do vereador Badias, do Príncipe Negro. De outros negros, muitos outros negros. Tantos negros. Mais negros que Machado de Assis. A alma é negra. Que ela volte, então. A louca negra alma de Bertília voltará.