Políticas Sociais na América Latina: Retrocessos e Resistências

Ref: 978-85-473-2450-6

Tendo a política social como tema central, esta obra reúne autores altamente qualificados, vinculados a diferentes instituições de ensino de cinco países latino-americanos, todos eles interessados em problematizar os rumos recentes da política social na região, considerando as mudanças macroeconômicas e seus efeitos nos diferentes países, vis-à-vis o cenário social e político em que essas políticas são formuladas e desenvolvidas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-2450-6


ISBN Digital: 978-65-5820-080-2


Edição: 1


Ano da edição: 2018


Data de publicação: 20/11/2018


Número de páginas: 229


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Mara Rosange Acosta de Medeiros.

2. Vera Maria Ribeiro Nogueira.

3. Vini Rabassa da Silva.

Tendo a política social como tema central, esta obra reúne autores altamente qualificados, vinculados a diferentes instituições de ensino de cinco países latino-americanos, todos eles interessados em problematizar os rumos recentes da política social na região, considerando as mudanças macroeconômicas e seus efeitos nos diferentes países, vis-à-vis o cenário social e político em que essas políticas são formuladas e desenvolvidas. O leitor que se dedicar à leitura da obra encontrará temas, experiências e abordagens variados, unidos na busca de um exame crítico sobre a conformação das políticas sociais latino-americanas, considerando sua complexidade e os desafios de consolidação de uma ordem efetivamente democrática, em que a proteção social exercida pelo Estado seja estendida a todos e reconhecida como um direito de cidadania.

Trata-se, portanto, de um convite à reflexão. Reflexão essa tão necessária, sobretudo em um contexto em que a regressão de direitos e o desmonte dos ainda frágeis sistemas de proteção social latino-americanos colocam a todos a tarefa inadiável de conhecer e examinar os sentidos das mudanças em curso como forma também de resistência.

 

Mônica de Castro Maia Senna