O Corpo no Discurso Psicanalítico

Ref: 978-85-473-2133-8

O presente livro participa de um movimento que constitui, a meu entender, um verdadeiro marco na história da psicanálise e deveria ser celebrado por todos os interessados na vigência e no futuro desse método.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2133-8


Edição: 1


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 19/12/2018


Número de páginas: 321


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 21 cm


Comprimento: 27 cm


Altura: 2 cm


1. Márcia Maesso.

2. Daniela Chatelard.

O presente livro participa de um movimento que constitui, a meu entender, um verdadeiro marco na história da psicanálise e deveria ser celebrado por todos os interessados na vigência e no futuro desse método.

Sustento tal diagnóstico partindo do fato de que o tema que atravessa todo o livro – o corpo – é um daqueles que mais atraem o interesse em nossa época e cultura.

Entre seus estimados valores, este volume agrega a enriquecedora participação de um número muito importante de psicanalistas cujo prestígio foi obtido em função de suas produções, transmissão e prática da psicanálise em distintas áreas, participando do diálogo com práticas afins, como a clínica hospitalar e o ensino universitário.

O livro também é valoroso porque conta com a participação de diversas correntes do pensamento psicanalítico, como winnicottiana, freudiana e lacaniana.

Destaco, finalmente, o que eu considero que deve ser especialmente elogiado: este texto expressa plenamente a vitalidade, a força e a produtividade que a psicanálise ganhou no Brasil e em língua portuguesa. A psicanálise caracterizou-se por seu início em alemão e depois por seu desenvolvimento em inglês, espanhol e francês. Atualmente, sem dúvida, para o caso de saber o que pensa, o que diz e como existe a psicanálise, é preciso também perguntar sobre sua existência em português e, especialmente, no Brasil. Esse novo desenvolvimento fornece um alcance magnífico e novo para o que Lacan designou “lacanoamericanos”.

 

Alfredo Eidelsztein