O Espírito do Catolicismo e do Barroco na Cultura Brasileira

Ref: 978-85-473-2521-3

No início da abertura democrática, nos anos 80, voltei ao Brasil. Encontrei um país diferente do que deixara, principalmente pela emergência de novos atores sociais, como o sindicalismo do ABC, o Partido dos Trabalhadores, as comunidades eclesiais de base etc.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 38,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 17,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2521-3


ISBN Digital: 978-85-473-2521-3


Edição: 1


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 11/01/2019


Número de páginas: 145


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Fernando Antonio Mourão Flora.

No início da abertura democrática, nos anos 80, voltei ao Brasil. Encontrei um país diferente do que deixara, principalmente pela emergência de novos atores sociais, como o sindicalismo do ABC, o Partido dos Trabalhadores, as comunidades eclesiais de base etc.

Meu entendimento foi que a Igreja Católica tinha tido um papel fundamental na oposição ao regime militar e na emergência dos movimentos sociais. Debrucei-me, então, sobre essa instituição no país.

Nasceram dois ensaios desses estudos. No primeiro, Lula e o PT: da esperança ao feijão-com-arroz & outros escritos, descobri que o líder sindical era no imaginário um mito messiânico de caráter cristão. No segundo, O sujeito oculto do lulopetismo e dos movimentos sociais, apontei que a Teologia da Libertação, doutrina católica muito influente na América Latina, era a ideologia escondida na germinação do fenômeno político contemporâneo.

O presente ensaio, O espírito do catolicismo e do Barroco na cultura brasileira, constitui uma incursão às raízes remotas do catolicismo e sua influência estruturante na fundação da cultura brasileira. Nesse percurso, cruzei com a cultura do Barroco e foi em um estalo que realizei seu profundo impacto e seus vestígios ainda presentes na mentalidade brasileira.

O Estado português, desde a Revolução de Avis (1385), configurou-se como patrimonial. O Brasil herdou essa estrutura, como descreve Faoro sobre o patronato político nacional, em Os Donos do Poder. No entanto há uma lacuna em sua grande obra que é a herança do catolicismo e do Barroco na cultura brasileira. Tal é o nosso propósito.

O catolicismo não é considerado em sua dimensão de fé transcendental, e sim enquanto ideologia, construída principalmente por São Paulo e por Santo Agostinho. Foi sua vertente fundamentalista, ibérica, que foi transplantada para a Colônia portuguesa. Em estreita associação com ela, exportou-se a cultura do Barroco. Pode-se detectar a influência dessa mentalidade, por exemplo, no campo jurídico como o extremo legalismo (convivendo com a grande ilegalidade), no labirinto do sistema político nacional, no inesperado na dinâmica social. Tudo revelando um país aquém da modernidade.

Nos escritos políticos, incluídos nos anexos, é descrita uma resultante trágica dessa mentalidade arcaica no fenômeno político contemporâneo do soba.