Jogo de Poder na Escola Pública: O Professor em Xeque

Ref: 978-85-473-2274-8

A escola é um campo de conflitos constituído por indivíduos que exercem diferentes papéis interdependentes, suas ações influenciam e são influenciadas pelos outros a todo momento. Assim, acreditamos que professores estão imersos numa teia de interdependências que não lhes permite perceber com clareza as relações de poder a que estão submetidos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2274-8


Edição: 1


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 14/01/2019


Número de páginas: 165


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Dagmar Hunger.

2. Juliana Martins Pereira.

A escola é um campo de conflitos constituído por indivíduos que exercem diferentes papéis interdependentes, suas ações influenciam e são influenciadas pelos outros a todo momento. Assim, acreditamos que professores estão imersos numa teia de interdependências que não lhes permite perceber com clareza as relações de poder a que estão submetidos. O professor se sente coagido pelas normas e regras de funcionamento da escola e não percebe que também exerce força coercitiva em relação ao outro, favorecendo práticas tradicionais escolares que impulsionam o desenvolvimento do mal-estar docente. Nesse sentido, a presente obra objetiva analisar a “coerção” da instituição escolar que ocorre entre governo do estado, equipe escolar, alunos e comunidade e as percepções de professores sobre a violência que permeia esse contexto. Participou do estudo um grupo de professores que leciona em escolas do interior paulista. Os autores adotados para dar suporte à discussão dos dados foram o sociólogo Norbert Elias e, complementarmente, o psicanalista Sigmund Freud. Assim, o livro que apresentamos discute, principalmente: a dicotomia indivíduo/sociedade evidenciada pelos professores; a dificuldade em se reconhecerem como corresponsáveis pelo difícil quadro da educação pública na atualidade; a mudança no equilíbrio de poder nas relações escolares; o estranhamento demonstrado pelos professores em relação ao comportamento de seus alunos e o “desejo” de que se enquadrem no comportamento correto idealizado. Além disso, as mudanças na legislação educacional e a sensação de estarem perdendo o controle sobre seu trabalho têm afetado sua identidade profissional.