O Negócio da Mídia no Interior

Ref: 978-85-473-2636-4

Por que os meios de comunicação estão onde estão? Sua distribuição pelo território obedece a um padrão? O que faz determinadas cidades serem mais favoráveis a empreendimentos de mídia do que outras? Como a mídia do interior sustenta-se em um contexto de grande mutação tecnológica? Sua localização interfere em seu funcionamento e sucesso enquanto firma? Inspirado em uma proposição do geógrafo Milton Santos feita em 1955 sobre jornais, demanda e condições de operação, O negócio da mídia no interior indica as respostas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 68,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2636-4


Edição: 1


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 22/01/2019


Número de páginas: 243


Encadernação: Brochura


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Jacqueline Deolindo.

Por que os meios de comunicação estão onde estão? Sua distribuição pelo território obedece a um padrão? O que faz determinadas cidades serem mais favoráveis a empreendimentos de mídia do que outras? Como a mídia do interior sustenta-se em um contexto de grande mutação tecnológica? Sua localização interfere em seu funcionamento e sucesso enquanto firma? Inspirado em uma proposição do geógrafo Milton Santos feita em 1955 sobre jornais, demanda e condições de operação, O negócio da mídia no interior indica as respostas.

O livro é resultado de uma abordagem inédita feita por Jacqueline Deolindo em jornais diários impressos e sites de notícias de cidades pequenas e médias não metropolitanas. A partir de referências da economia de mídia e da geografia da comunicação, a autora nos revela o modelo de negócios que desenha o mapa das regiões jornalísticas no interior do estado do Rio de Janeiro, além de traçar um quadro comparativo desse cenário com o mercado de mídia nacional e internacional.

Os achados da pesquisa, no entanto, ultrapassam a realidade fluminense e podem ser elementos úteis para se pensar empresas jornalísticas que operam em centros urbanos em condições análogas.

INTRODUÇÃO
1 - A TEORIA DAS LOCALIDADES CENTRAIS E A MÍDIA NO ESPAÇO
1.1 A TEORIA DE CHRISTALLER
1.2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS
1.3 ATUALIZAÇÕES À TEORIA CLÁSSICA
1.4 MÍDIA COMO SERVIÇO DE ALTA ORDEM E NOVO TRABALHO
1.5 ASPECTOS LOCACIONAIS DOS BENS E SERVIÇOS DE MÍDIA
1.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

2 - TEORIAS DA FIRMA, ECONOMIA DE MÍDIA E INOVAÇÃO
2.1 INDÚSTRIA: CONCEITOS E ORIGENS DOS ESTUDOS
2.2 A FIRMA E A INDÚSTRIA NA ABORDAGEM ESTRUTURA-CONDUTA-DESEMPENHO
2.2.1 Condições básicas de oferta e demanda
2.2.2 Estrutura de mercado
2.2.3 Conduta
2.2.4 Desempenho
2.2.5 Políticas públicas
2.3 AS CINCO FORÇAS DE PORTER
2.4 FIRMAS DE MÍDIA
2.4.1 Tecnologia e inovação nas indústrias de mídia
2.4.2 Clusters de mídia
2.5 A ABORDAGEM ESTRUTURA-CONDUTA-DESEMPENHO DAS FIRMAS DE MÍDIA
2.6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 - PARA UMA ABORDAGEM GEOECONÔMICA DA MÍDIA DO INTERIOR
3.1 FIRMAS DE MÍDIA DO INTERIOR: CENÁRIOS E MODELAGEM DA PESQUISA
3.2 A DUALIDADE DO NEGÓCIO DE MÍDIA E A ESPECIFICIDADE DO REGIONAL
3.3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

4 - O MERCADO E O LUGAR DA MÍDIA
4.1 PANORAMA INTERNACIONAL DO MERCADO DE MÍDIA: TRAÇOS ECONÔMICOS E ESPACIAIS
4.2 AS CIDADES GLOBAIS DE MÍDIA: CONCENTRAÇÃO E REDES SOBRE O TERRITÓRIO
4.3 INDÚSTRIA DE MÍDIA NO BRASIL: CONTEXTOS DE DESENVOLVIMENTO
4.4 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA MÍDIA BRASILEIRA
4.4.1 Televisão
4.4.2 Revistas
4.4.3 Emissoras de rádio
4.4.4 Jornais
4.4.5 Sites de notícias e informação
4.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

5 - CAMINHOS DA PESQUISA
5.1 DAS ETAPAS E PROCEDIMENTOS DA PESQUISA
5.1.1 Identificando as regiões jornalísticas
5.1.2 Desenvolvendo a abordagem estrutura-conduta-desempenho

6 - A MÍDIA NO INTERIOR FLUMINENSE
6.1 ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TRAÇOS GEOECONÔMICOS
6.2 O MERCADO REGIONAL DE MÍDIA
6.3 ABORDAGEM ESTRUTURA-CONDUTA-DESEMPENHO DA MÍDIA DO INTERIOR FLUMINENSE
6.3.1 Localização, estrutura de mercado e perfil das firmas
6.3.2 Conduta das firmas
6.3.3 Desempenho dos jornais diários e sites de notícias
6.3.4 Visão dos gestores sobre políticas públicas
6.4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONCLUSÕES

REFERÊNCIAS