Discursos na Cultura do Direito: Uma Análise Interdisciplinar da História não Contada

Ref: 978-85-473-2419-3

Este estudo faz uma análise interdisciplinar do Direito brasileiro em seus aspectos culturais, com intenção de oferecer uma alternativa à visão tradicional que o coloca como uma ciência restrita às normas positivadas. Reflete acerca das relações entre a esfera jurídica e a esfera sociocultural, no sentido de se demonstrar como valores e fatos culturais implicam percepções diversas no discurso forense.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-2419-3


ISBN Digital: 978-65-5523-847-1


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 26/03/2019


Número de páginas: 172


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Carolline Leal Ribas.

Este estudo faz uma análise interdisciplinar do Direito brasileiro em seus aspectos culturais, com intenção de oferecer uma alternativa à visão tradicional que o coloca como uma ciência restrita às normas positivadas. Reflete acerca das relações entre a esfera jurídica e a esfera sociocultural, no sentido de se demonstrar como valores e fatos culturais implicam percepções diversas no discurso forense. O objetivo foi apontar correlações diretas entre os discursos jurídicos e o da sociedade civil, no caso específico das mudanças na concepção das minorias sexuais na sociedade brasileira contemporânea, sobretudo na compreensão e proteção de seus direitos. Para isso, analisou-se o caso do reconhecimento pelo Supremo Tribunal Federal da união estável para casais do mesmo sexo, decorrente da Ação Direta de Inconstitucionalidade 4277 e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 132. O cotejamento entre o discurso dos ministros e de representantes de setores da sociedade civil organizada pelo reconhecimento jurídico da união homossexual estável como entidade familiar sugere um possível paralelismo entre as ações, demonstrando indicadores de que o ordenamento jurídico brasileiro, ao prezar pelo direito positivista, não desconsidera aspectos culturais como os costumes, uma vez que funciona como fator que constrói a cultura e, também, reproduz seus valores.