Organizações Totalitárias: Esquadrões da Morte, Tribunais do Crime e o Hospital Colônia de Barbacena

Ref: 978-85-473-2910-5

Organizações totalitárias: esquadrões da morte, tribunais do crime e o Hospital Colônia de Barbacena é uma compilação de estudos e reflexões sobre os fundamentos, os modus operandi e as histórias de algumas organizações totalitárias que atuaram no Brasil. Essas organizações foram responsáveis pelos assassinatos, execuções sumárias, extermínios sistemáticos e planejados de milhares de pessoas, geralmente antecedidos por práticas de violências extremas como agressões físicas, espancamentos, inanições programadas, estupros, torturas, por exemplo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2910-5


ISBN Digital: 978-85-473-2910-5


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 27/03/2019


Número de páginas: 165


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Francis Kanashiro Meneghetti.

Organizações totalitárias: esquadrões da morte, tribunais do crime e o Hospital Colônia de Barbacena é uma compilação de estudos e reflexões sobre os fundamentos, os modus operandi e as histórias de algumas organizações totalitárias que atuaram no Brasil. Essas organizações foram responsáveis pelos assassinatos, execuções sumárias, extermínios sistemáticos e planejados de milhares de pessoas, geralmente antecedidos por práticas de violências extremas como agressões físicas, espancamentos, inanições programadas, estupros, torturas, por exemplo. O estudo dessas organizações evidencia também práticas de corrupções, com o intuito de promover beneficiamentos econômicos e políticos de políticos, donos de propriedades rurais, empresários, servidores do estado, agentes de segurança etc. Apesar das particularidades históricas dessas organizações, elas têm como fundamento comum o estabelecimento de políticas de terror social, da instituição do mal e de práticas da aniquilação do humano. O autor procura ainda fazer uma série de reflexões sobre as responsabilidades dos participantes dessas organizações e dos envolvidos direta e indiretamente. São apresentadas, ainda, reflexões éticas que envolvem fazer pesquisa que ocorrem em contextos de violência extrema e da existência da banalidade do mal, já que o autor coloca-se também como responsável por aquilo que escreve sobre essas organizações.