Olhar sobre a História das Áfricas: Religião, Educação e Sociedade

Ref: 978-85-537-0070-7

“Olhar sobre a história das Áfricas” é resultado de um processo de reflexão em torno do tema Missões em África e suas relações com Brasil e Europa desenvolvido por um grupo de pesquisadores dos três continentes reunido há cerca de cinco anos. A organização dos textos aqui presentes oferece ao leitor uma intelegibilidade que dá a ideia de uma reunião simples de pesquisadores internacionais. Entretanto nada neste grupo é simples ou fácil. Ele foi inicialmente pensado em 2011, com a criação de uma linha de pesquisa nomeada Sociabilidades Missionárias no Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP). Dois anos após, em 2013, um primeiro encontro foi promovido em Portugal, o Colóquio Internacional: Da Evangelização da África à África Evangelizadora: mediações missionárias com e através da África. As discussões ali desenvolvidas evidenciaram a necessidade de ampliação do universo de investigação que trouxe consigo novos pesquisadores do Brasil, além dos já partícipes da Europa e África.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 60,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-537-0070-7


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 24/04/2019


Número de páginas: 317


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Thiago Henrique Sampaio.

“Olhar sobre a história das Áfricas” é resultado de um processo de reflexão em torno do tema Missões em África e suas relações com Brasil e Europa desenvolvido por um grupo de pesquisadores dos três continentes reunido há cerca de cinco anos.
A organização dos textos aqui presentes oferece ao leitor uma intelegibilidade que dá a ideia de uma reunião simples de pesquisadores internacionais. Entretanto nada neste grupo é simples ou fácil. Ele foi inicialmente pensado em 2011, com a criação de uma linha de pesquisa nomeada Sociabilidades Missionárias no Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP). Dois anos após, em 2013, um primeiro encontro foi promovido em Portugal, o Colóquio Internacional: Da Evangelização da África à África Evangelizadora: mediações missionárias com e através da África. As discussões ali desenvolvidas evidenciaram a necessidade de ampliação do universo de investigação que trouxe consigo novos pesquisadores do Brasil, além dos já partícipes da Europa e África.
Assim, em 2014, na cidade de Petrolina em Pernambuco, com o Seminário Internacional Fontes e Pesquisas sobre a História das Missões na África, outra rodada de debates sobre as possibilidades de pesquisa aconteceu.
Finalmente, o II Colóquio Internacional de História da África: Fontes e Arquivos sobre Missões Africanas, ocorrido em Assis (São Paulo) em 2015, ampliou as discussões sobre fontes diversas e a questão patrimonial. Além disso, as reuniões de caráter estratégico para a busca de fortalecimento caracterizado por solicitação de fomentos para pesquisa e publicações deram solidez ao exercício de investigação coletivo desenvolvido nos cinco anos de existência e abriram as portas para a inserção do grupo no Centro Interdisciplinar Cultura Espaço e Memória (CITCEM) da universidade do Porto onde conta com a coordenação da Profa. Dra. Elvira Mea.
Esta coletânea é especial porque este grupo de pesquisadores também se construiu de forma especial. Em tempos de exercício explícito de individualismo e escassez de alteridade, estes investigadores, calcados no rigor científico, buscam ultrapassar as linhas demarcadas tradicionalmente ousando unir pesquisas que tratam de Brasil-África-Europa em tempos históricos diversos, trocando informações sobre possibilidades de fontes, se auxiliando na busca por investimentos e lutando contra todos os obstáculos para a pesquisa na área das Ciências Humanas nestas primeiras décadas do século XXI.
Finalmente este grupo importa, pois por meio de um trabalho transdisciplinar têm levantado discussões sobre Brasil-África-Europa que permitem auxiliar na compreensão da construção de nossas instituições políticas, relações diplomáticas, percepções culturais e finalmente vivência cidadã em um contexto em que ser cidadão tornou-se uma profissão de fé na defesa dos direitos sociais progressivamente solapados pela chamada Nova Ordem Mundial.