A História da Disciplinação na Modernidade: Da Grilagem ao Meretrício

Ref: 978-85-473-2881-8

A História da Disciplinação na Modernidade: da grilagem ao meretrício dá-se a partir de uma matriz de pensamento tributária do Foucault de Vigiar e Punir, mas não só. Pergunta-se em que o processo de modernização do espaço-cidade se mantém ou não com relação ao processo de formação subjacente de uma humanidade disciplinada para participar da constituição do processo de acumulação de capital. Analisam-se as décadas de 1930, 1940, 1950 e 1960, apesar de retroagir a 1916. Foi aí que o autor escolheu examinar – no processo de constituição de uma cidade no noroeste do Paraná – qual foi o papel da ação do Poder Judiciário, com suas estratégias de saber-poder que inauguram a modernidade embasada na constituição de uma ciência moderna, como nos ensina Michel Foucault.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 57,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2881-8


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 09/04/2019


Número de páginas: 189


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Leandro Moreira da Luz.

A História da Disciplinação na Modernidade: da grilagem ao meretrício dá-se a partir de uma matriz de pensamento tributária do Foucault de Vigiar e Punir, mas não só. Pergunta-se em que o processo de modernização do espaço-cidade se mantém ou não com relação ao processo de formação subjacente de uma humanidade disciplinada para participar da constituição do processo de acumulação de capital. Analisam-se as décadas de 1930, 1940, 1950 e 1960, apesar de retroagir a 1916. Foi aí que o autor escolheu examinar – no processo de constituição de uma cidade no noroeste do Paraná – qual foi o papel da ação do Poder Judiciário, com suas estratégias de saber-poder que inauguram a modernidade embasada na constituição de uma ciência moderna, como nos ensina Michel Foucault.

Neste livro avaliam-se aspectos e estratégias de poder que se mantêm ao longo de décadas, como táticas de internalização de obediência e de respeito às instituições de poder, ao mesmo tempo avaliando se estratégias de disciplinação não sofreram mudanças, quais mudanças, e em que sentido elas afetavam, igual ou desigualmente, as populações que se vão fixando como uma sociedade modernizada. A história da ocupação da cidade como apoio para verificar o processo de adequação e disciplinação dos sujeitos sociais visa à construção de um lugar adequado para uma civilização capitalista que precisa do trabalhador adestrado ao que lhe seria seu papel de subsidiário na produção da riqueza.