Quarentena Humana: E Estado de Exceção

Ref: 978-85-5507-770-8

Eis que os jornais noticiam uma gripe perigosa, que alarma a Organização Mundial de Saúde. O que antes nem era considerado doença séria torna-se uma ameaça mortífera. Os primeiros casos foram identificados como tendo ocorrido no Sudeste Asiático. Supostamente tentando evitar uma pandemia, os governos impõem diversas medidas restritivas. A quarentena humana volta com força total. Na China, turistas mexicanos são proibidos de sair do hotel, sob pena de morte. No Canadá, cancela-se a emissão de novos vistos para pessoas dessa região. Mesmo assim, casos da gripe vão sendo aos poucos identificados mundo afora. O primeiro suspeito brasileiro ficou 10 dias isolado em um hospital público. Era um jovem que dias antes havia estado em uma discoteca lotada. Mas, afinal, a quarentena apresenta algum impacto em saúde pública? É capaz de frear uma epidemia? Nenhum estudo científico aponta nesse sentido. Então, por que continua presente como se fosse um remédio amargo e indesejado? Pergunta de difícil resposta.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-770-8


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 06/05/2019


Número de páginas: 126


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 12 cm


Comprimento: 18 cm


Altura: 2 cm


1. Iris Almeida dos Santos.

Eis que os jornais noticiam uma gripe perigosa, que alarma a Organização Mundial de Saúde. O que antes nem era considerado doença séria torna-se uma ameaça mortífera. Os primeiros casos foram identificados como tendo ocorrido no Sudeste Asiático. Supostamente tentando evitar uma pandemia, os governos impõem diversas medidas restritivas. A quarentena humana volta com força total. Na China, turistas mexicanos são proibidos de sair do hotel, sob pena de morte. No Canadá, cancela-se a emissão de novos vistos para pessoas dessa região. Mesmo assim, casos da gripe vão sendo aos poucos identificados mundo afora. O primeiro suspeito brasileiro ficou 10 dias isolado em um hospital público. Era um jovem que dias antes havia estado em uma discoteca lotada. Mas, afinal, a quarentena apresenta algum impacto em saúde pública? É capaz de frear uma epidemia? Nenhum estudo científico aponta nesse sentido. Então, por que continua presente como se fosse um remédio amargo e indesejado? Pergunta de difícil resposta. Simples inércia? Hábito? Essa obra investiga as origens da quarentena humana e mostra que é um instrumento poderoso do Estado Absolutista de Exceção. O medo e o pânico coletivos são uma situação propícia para a legitimação da dominação e de cancelamento dos direitos e garantias fundamentais, principalmente quando a mídia incensa e dissemina o pânico e o medo. Para, ao final da epidemia, como já relatado várias vezes na ficção, o que deve prevalecer é a misericórdia, a união e o tratamento do enfermo.